PUB
Bol$a das Taipas
Quinta-feira, Maio 2, 2002

EM ALTA

Cândido Capela
Sem dúvida que é uma mais valia a sua presença na Assembleia de Freguesia. Demonstra estar disposto a trabalhar pelas Taipas e a apresentar propostas válidas. Teve intervenções bem preparadas, claras e sempre com conteúdo. Poderá, por ventura, vir a ser “um osso muito difícil de roer” para Remísio Castro. Uma frase chave por ele pronunciada nesta Assembleia poderá dizer mais do que mil palavras “não andaremos de chapéu na mão, o que se tem direito não se pede, exige-se!”.
Já agora, foi dos poucos intervenientes que não abordou o assunto das chaves. Porque será?

Remísio Castro
Não se deixou intimidar pelas caras novas da oposição e teve ainda discernimento para dar algumas piadas aos seus adversários. O assunto das chaves voltou a ser tema e aqui agiu como um verdadeiro político. Não tendo qualquer fundamento a sua atitude, em não atribuir as chaves aos vogais da Junta, conseguiu fazer passar a mensagem que mais lhe convinha, o assunto é ridículo e a oposição não saiu bem neste capítulo.
Quando questionado no ponto da Conta de Gerência e Relatório de Actividade2001, sobre se as Festas de S. Pedro estariam englobadas nesse relatório de contas, teve uma afirmação infeliz e até duvidosa, ao afirmar “devem estar” (!)

Armando Marques
Uma estreia nestas andanças que foi, até certo ponto, bastante positiva. Não deve esquecer que está ali em representação da U.T. , foi por esse “partido” que foi eleito e não pelo PSD, que não teve a coragem política de apresentar um candidato para as Taipas nas últimas autárquicas.
Uma das suas virtudes foi a espontaneidade nas contra-respostas.
 
Manuel Ribeiro
A convocatória era demasiadamente extensa. Será que assuntos como a discussão do Plano de Actividades e Orçamento não mereciam uma só Assembleia, para serem debatidos? Recorreu demasiadamente à Lei para justificar algumas atitudes e acabou por ficar, por vezes, encurralado nas malhas da Lei. Terá estado mal ao não proporcionar ao público a possibilidade de intervir. No entanto, foi ele que acabou por provocar o único deslize de Remísio Castro, ao questionar as contas das Festas de S. Pedro. Foi uma Assembleia com um estilo diferente, com maior abertura, vamos ver que frutos esta nova gestão poderá proporcionar aos Taipenses.

EM BAIXA

Manuel Marques
Fez lembrar o PCP, um discurso previsível e fatigado a necessitar de renovação. Foi o primeiro a trazer de novo o assunto das chaves, está tudo dito!
Tem que dar uma volta ao seu discurso caso contrário vai ser uma presa fácil para Remísio Castro.

Mário Dias
Será que alguém dos presentes naquela sala, não sabia que Mário Dias foi o Presidente da Assembleia de Freguesia nestes últimos oito anos? Bem, mas se alguém não o sabia, com certeza ficou a sabê-lo, tantas foram as vezes que o mencionou.
Nota-se alguma fragilidade de quem esteve tantos anos a mandar e agora vê-se do outro lado da barricada. Teve uma “actuação” pobre e acabou muito mal com aquela história das senhas para justificar a continuação da Assembleia. Espera-se mais de um “dinossauro” da vida política Taipense.

Luís Veloso
Fez o jeito ao seu colega da bancada ao propor um voto de Louvor para o Clube de Pesca, e quis saber quando iria ser pavimentado o lugar onde por acaso mora… e mais nada a dizer.

jcunha@reflexodigital.com