Ausência total de membros da coligação JpG marca sessão da Assembleia de Freguesia
Ausência total de membros da coligação JpG marca sessão da Assembleia de Freguesia
Paulo Dumas
Terça-feira, Março 27, 2018

Foi uma sessão tranquila, mas com uma tensão latente, muito pela completa ausência de membros da oposição nesta reunião. Um dos motivos para o pedido de marcação da assembleia era a discussão do relatório de auditoria às contas da Junta de Freguesia.

Passavam poucos minutos das 21 horas, quando o presidente da mesa da Assembleia de Freguesia de Caldelas deu início aos trabalhos da sessão extraordinária marcada para segunda-feira, 26 de março. A sessão foi solicitada pelo executivo da Junta de Freguesia e pela bancada do Partido Socialista.

À reunião faltaram todos os membros da bancada da coligação Juntos por Guimarães (JpG), que em justificação da sua ausência, invocaram não terem recebido todos os documentos a tempo de poderem ser analisados. Em causa estará, sobretudo, o relatório de uma auditoria externa às contas da freguesia e que seria discutido no ponto 8 da ordem de trabalhos.

Sérgio Araújo negou que não tenham sido cumpridos os quesitos regimentais, através da leitura de um extenso email, que o presidente da mesa terá enviado ao líder da bancada da coligação Juntos por Guimarães, Manuel Ribeiro.

Durante o período aberto para a análise e discussão do relatório da auditoria, o líder da bancada socialista tomou a palavra. Para Augusto Mendes, seria “injusto” não discutir o documento, tendo sido esta a forma de justificar a requisição da marcação desta assembleia extraordinária.

A bancada socialista passou a elencar alguns pontos constantes no documento de auditoria, não sem antes notar a ausência dos membros da bancada da coligação JpG, anuindo, também ele e em representação da bancada, tratar-se aquele de um assunto “incómodo”.

Com várias pausas longas entre a intervenção, Augusto Mendes escalpelou o documento e atirou um número: €103.757,42 – valor que corresponderá ao que seria o passivo da Junta de Freguesia em outubro de 2017. “O anterior executivo navegava à vista” – concluiu Augusto Mendes.

Foram ainda dados exemplos de “descontrolo da faturação” como, atrasos nas cobranças devidas pela utilização do recinto da feira. Do lado da despesa, foi referida a intervenção na Rua do Tojal, levada a efeito pelo anterior executivo. Uma obra efectuada sem projecto e sem medições, escusando-se a referir todos os detalhes sobre o tema a que fazia alusão.

Terminando, Augusto Mendes prometeu voltar a trazer o documento à discussão da Assembleia de Freguesia, lamentando não ter sido possível expor as conclusões do relatório na presença de uma parte dos principais visados no relatório. Por seu turno, o presidente do executivo, Luís Soares, garantiu que os elementos da junta estarão “sempre presentes” para a discussão dos temas de interesse para a freguesia.

Assembleia aprova alterações aos regulamentos da freguesia

De resto, durante a sessão foram aprovados por unanimidade dos presentes as alterações a vários regulamentos da freguesia, propostas pelo executivo.

As alterações ao regulamento do cemitério passarão a permitir a compra de sepulturas em vida. No regulmento dos pesseios sociais, a junta propôs a inclusão de um termo que prevê que dois lugares nos passeios sejam para pessoas com comprovadas carências económicas. Por fim, a freguesia criou mais uma taxa, desta vez para a utilização dos espaços do edifício sede da junta de freguesia. Entidades da freguesia sem fins luvrativos não pagam.

Ainda, Eliana Morais foi eleita como representante da Assembleia de Freguesia de Caldelas na Brigada Verde criada com várias entidades pela Junta de Freguesia e cuja apresentação pública decorreu no dia 14 de março.