PUB
  SAÚDE   Vamos tomar um café? Mitos e Realidades
Sexta-feira, Abril 17, 2009

O café é uma das principais bebidas ingeridas no mundo e contribui para o nosso bem-estar.

Os portugueses têm por hábito transformar todo o tipo de encontros num encontro para tomar café. O hábito social de tomar café está associado ao convívio, à troca de ideias, à “conversa em dia”, ao desabafo, às confissões, à arte. É um momento de prazer. Aquece e dá energia. Tem um sabor e um aroma único. È uma desculpa para a pausa. “Vou ali tomar só um café e venho já”. Daí que 80% do total de café consumido o seja fora de casa.

O café contém mais de dois mil componentes entre os quais se destacam o cálcio, o sódio, as vitaminas B3, B2, B5 e B6 e a cafeína que é a substância farmacológica psicoactiva mais consumida no planeta.

Quanto à sua origem, acredita-se que a planta do café (Coffea arábica e Coffea robusta) foi descoberta pela primeira vez na Etiópia no ano de 600 d. C. e o hábito de tomar café foi desenvolvido na cultura árabe.

Existem alguns receios associados ao seu consumo, porém, as evidências científicas revelam que a ingestão moderada de café (1 a 3 chávenas/dia) tem efeitos benéficos no organismo não prejudicando a saúde. O consumo de café contribui mesmo para a prevenção de doenças tais como: Doença de Parkinson, Doença de Alzheimer, doenças do fígado e diabetes. De qualquer modo, quando ingerido em excesso é responsável por nervosismo, ansiedade, agressividade, insónia, palpitações e tremores.

Desvendando alguns mitos: o café não provoca osteoporose e, se consumido em quantidades moderadas não causa dependência.

A ingestão máxima recomendada de cafeína é 250 mg por dia. Tenha em atenção que a cafeína está presente também no chá, chocolate, refrigerantes e alimentos energéticos. Em Portugal, o teor médio de cafeína existente numa chávena de café é o seguinte:
Café curto – 62 mg
Café normal – 72 mg
Café cheio – 88 mg
Descafeinado – 1 a 6 mg

Concluindo, a ingestão moderada de café não representa qualquer risco para a saúde. Socialize, vá tomar um café…

Nota: no caso de ter uma doença crónica ou na presença de dúvidas, aconselhe-se junto do seu médico assistente.

*Interna de MGF – USF de Ronfe/ Centro de Saúde das Taipas

26