PUB
  POLÍTICA   Uma decisão polémica
Segunda-feira, Julho 28, 2008

Quando esta edição em papel do “Reflexo” chegar às mãos dos seus leitores talvez já seja do domínio público o que a Câmara Municipal de Guimarães quer autorizar para a Alameda Rosas Guimarães – mais um bloco habitacional gémeo do actualmente existente.

Não sendo novo o apetite voraz dos promotores imobiliários por aquela zona nobre da Vila, espanta que após tantos anos de espera a Câmara ainda não tenha orientado politicamente os seus serviços no sentido de considerar o parque e as margens da Alameda como área protegida.

É certo que o mamarracho que lá foi em tempos implantado nunca devia ter sido aprovado e muito menos servir de pretexto para outros se lhe sucederem. Volumes como o actual e outros da mesma grandeza só interessam a quem quer multiplicar por muitos o investimento feito na aquisição do terreno, porque para a Vila e em particular para os muitos taipenses e estrangeiros que se refugiam no parque em busca de tranquilidade e de fruição da natureza quantos mais blocos menos espaço e mais poluição.

Que fique claro que não somos dos que pensam que a zona deve ficar como está. Seja qual for a margem da Alameda, entendemos que é possível autorizar a construção de vivendas recuadas, isto é com espaço ajardinado à frente, mas nunca uma ocupação densa do território.

Além do mais, o projecto a que a Câmara não foi capaz ou não quis opor-se atinge a maior potencialidade da Vila – o turismo.

Já estou a ouvir os que confundem desenvolvimento com cimento a contrapor aos meus argumentos a acusação de imobilismo, de velho do Restelo e coisas afins. Não me preocupo com tais vozes porque elas escondem interesses económicos ou de partido. Não apresentam argumentos. Atacam em nome de um progresso construído sobre as cinzas da qualidade de vida.

Há muito onde construir blocos de habitação, logo não tem forçosamente de ser ali ou em zonas que constituem a identidade das Taipas. Haja coragem de enfrentar os especuladores imobiliários e a teia de interesses que gravita em torno deles!

26