PUB
  POLÍTICA   Pontos nos is…
Sexta-feira, Novembro 2, 2007

1.º PONTO – Apercebi-me que, a propósito da temática da criação do concelho das Taipas, algumas pessoas não perceberam bem de que lado eu estaria, se a favor ou contra. Assim, para que não restem dúvidas, nomeadamente naqueles que possam não ter interpretado da melhor forma o meu último artigo de opinião publicado no Reflexo, abordando a dita questão, devo dizer que não sou defensor da criação do concelho, remetendo, na íntegra, para as explicações e razões apontadas no mencionado artigo.

2.º PONTO – Ainda a propósito do tema da criação do concelho das Taipas, tivemos a oportunidade, na última Assembleia de Freguesia, de questionar os vogais da Junta sobre as suas posições individuais acerca do tema. Ouvimos o secretário da Junta, Sr. Armando Abreu, a tentar distanciar-se da posição publicamente assumida pelo seu presidente. Por seu lado, o tesoureiro, Sr. Armando Marques, falou muito e não disse nada, isto é, não tomou posição, nem a favor, nem contra. No fim da assembleia fiquei confuso, pois tive, e ainda tenho, dificuldades para entender como é que um político que integrou a lista do PSD candidata à Câmara Municipal de Guimarães pode, dois anos depois das eleições, não ter posição definida sobre a tentativa de uma freguesia deste concelho se pretender separar e autonomizar e, com isso, tirar força e grandeza ao município para que concorreu e que, em última instância, até poderia ser liderado por si…

3.º PONTO – Concordo com alguém, já não me lembro quem, que há dias escrevia na blogosfera que o presidente da Junta, com o lançamento da discussão em torno da criação ou não do concelho, teria atingido, na plenitude, os seus objectivos. Com efeito, com tudo isto, a Junta tem conseguido distrair os eleitores e fazê-los esquecer da sua inactividade e inabilidade políticas. São verdadeiras manobras de diversão (e nisto, sim, reconheçam-se qualidades e capacidades ao presidente do executivo) que realçam o acessório e fazem esquecer o essencial… Assim, da minha parte, não vou contribuir mais para este peditório.

PONTO FINAL – Agora que pus os pontos nos is em relação ao “concelho”, quero colocar um ponto final na discussão. Há coisas verdadeiramente mais importantes e que importam para o desenvolvimento da vila e que, essas sim, pretendo discutir…

26