PUB
“Remember when you were young, you shone like the sun, shine on you crazy diamond”
Segunda-feira, Janeiro 9, 2012

Antes de mais, votos de um bom 2012 para todos os leitores e que o pessimismo não prevaleça sobre o optimismo e as coisas boas que têm de ser feitas. Dizem que vamos ter um ano difícil e de sacrifícios, é bem provável que sim, no entanto, não devemos deixar de sonhar.

Eu, e apenas por exemplo, além de muitas outras coisas, a nível desportivo sonho que o Real Madrid ganhe a Liga dos Campeões e que Mourinho seja o primeiro treinador do mundo a vencer o campeonato de Inglaterra, Itália e Espanha. A nível musical que é para isso que me convidam para escrever, se não fosse já um dado consumado, diria que sonhava com que a melhor banda do mundo viesse a Portugal volvidos 10 anos…e não é que vem mesmo?

Foi no dia 30 de Novembro que os meios de comunicação informaram que a ímpar banda britânica denominada Radiohead voltariam a Portugal para um concerto tão esperado pelos seus milhares de fãs. Muitos devem partilhar a minha opinião que tantos anos de espera mereceria um espaço fechado, talvez duas datas no pavilhão Atlântico (perfeito era 1 semana no Coliseu de Lisboa e 1 semana no Coliseu do Porto, impossível) mas também admito e compreendo que a organização do Optimus Alive é a única força do momento no país capaz de suportar uma gigantesca logística financeira que exige e envolve a presença da banda de Thom York.

Acredito que o concerto dos Radiohead no dia 15 de Julho em Oeiras seja o momento mais alto dos últimos anos no cenário musical português ( sim, eu sei que o Fado foi recentemente considerado património imaterial da humanidade, merecido sem dúvida ), imagino uma audiência saudosista, entusiasmante, eufórica., com uma faixa etária ampla. Desde quem tem hoje 40 anos e ouviu e viu nascer os Radiohead quando tinham sensivelmente 21, e por sua vez, quem tem 18 anos hoje e estava a nascer no ano do lançamento do primeiro álbum da banda, Pablo Honey (da famosa Creep) e eu, que terei 30 anos de idade + 1 dia, melhor prenda de aniversário possível desta mediática idade. Fica a devida promessa do relato “in loco” deste concerto na edição de Agosto do Espelho Sonoro.

À margem do acontecimento referido em cima, 2012, além de ser o ano que os Maias profetizaram como o último (honestamente sempre pensei que eles tinham incumbido alguém para toda a vida de fazer um calendário e que essa mesma pessoa sucumbiu por razões naturais quando estava no calendário em 2012), é também o ano de Guimarães Capital Europeia da Cultura e, o ano de Braga Capital Europeia da Juventude. Ora nós, orgulhosos Taipenses, somos os mais privilegiados desta curiosa situação, 15 km para ali, ou 7 km para lá, pois sabendo que Guimarães não vai a Braga e que Braga não vai a Guimarães e conhecendo por justa causa que as Taipas vão a um lado e a outro, este ano não há desculpas. Caro leitor renegue o sofá. Opte pela iniciativa, pelo acontecimento e pela cultura. Faça parte, este ano a velha desculpa do “ não sei onde vou porque não há oferta “ fica completamente inutilizável.

Por falar em oferta, já neste sábado, 7 de Janeiro, teremos pela primeira vez no bar N101 uma banda dos E.U.A, não quero dizer que o que é de fora é melhor, já que tantas e tantas vezes este bar da terra nos proporcionou tão boas bandas nacionais, contudo, é sempre de enaltecer a disponibilidade de uma banda além-mar, não renunciar a tocar num bar como este, a credibilidade da casa faz-se assim notar.

2012, apesar de um ano de sacrifícios, pode também ser um ano de bom aproveitamento cultural sem grandes custos e principalmente para quem acredita na profecia dos Maias, não há melhor ano do que este a nível de oferta para ver e ouvir até nos cansarmos. Estimado leitor, que a crise passe-lhe o lado, o mesmo não posso desejar-lhe da música e da cultura. Viva e sinta como se fosse o último ano, este é o ano para o fazer, até porque.. não vá os Maias terem razão.

Finalizo com o envio de um forte abraço para o meu grande amigo Miguel que está em África, ele que é um grande cantor e dançarino, às vezes. Tem tudo a ver com música. Para ti, o título deste texto.