PUB
“há quem continue a utilizar o dirigismo associativo para fins que não beneficiam a entidade que representam(…)”
Segunda-feira, Dezembro 20, 2010

A Direcção da Taipas-Turitermas emitiu, no passado dia 18 de Dezembro, um comunicado onde dá conta da actividade da cooperativa no último ano, período em que a mesma esteve sob a liderança de Ricardo Costa.

O documento dá conta de um aumento do volume de negócios, no que respeita às principais unidades de negócio da cooperativa, as Termas e a Fisioterapia, em 64,9% e 7,2%, respectivamente. Estes resultados contribuíram para que, no global, a cooperativa registasse um aumento de mais de 16,5% do seu volume de negócios.

É ainda apontada a “marca deixada na dinamização da vida cultural taipense” com as iniciativas levadas a cabo no renovado espaço dos Banhos Velhos e a intervenção, para breve, da requalificação para a área envolvente daquele espaço, no âmbito do Mapa 2012.

Para o futuro a Direcção da cooperativa reforça a intenção de “intervir mais a fundo no edifício Termal e no edifício da fisioterapia, melhorar as condições do ringue para a prática desportiva e enquadra-lo com o parque de lazer. Por fim, dotar as piscinas de melhores condições que permitam funcionar durante todo o ano, de forma a ter aquele espaço valorizado e assim atrair a população das freguesias em redor”. A Turitermas acredita que com estes projectos, para além de canalizar mais investimento para a vila das Taipas, estará a fomentar a criação de emprego. Todos estes investimentos estarão a ser realizados, segundo os responsáveis da cooperativa, “de uma forma criteriosa tendo em conta o seu retorno e sustentabilidade, tendo como pressuposto a excelência do serviço prestado, enriquecendo a oferta desportiva e de lazer”.

O comunicado refere ainda que a estratégia da Cooperativa tem passado por criar sinergias, através de parcerias já implementadas, com as mais diversas instituições da Vila, entre as quais se destaca a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários das Taipas com quem, refere o documento “encetamos já conversações, na pessoa do seu presidente, tendo em mente futuras parcerias de modo a que também estes venham a beneficiar de toda a dinâmica que estes investimentos vão desenvolver”.

A terminar, a Direcção da Taipas-Turitermas, dá conta do seu desagrado por verificar que “há quem continue a utilizar o dirigismo associativo para fins que não beneficiam a entidade que representam, tentando como fim último colocar instituições da Vila em rota de colisão”.

Continuam referindo que, “é por demais incoerente e incompreensível que os mesmos intervenientes que num passado bem recente, usaram o património degradado para sustentar a crítica fácil à Cooperativa, sejam os mesmos que criticam, agora, esta direcção por se propor a revitalizar e valorizar equipamentos centrais e diferenciadores para o desenvolvimento da Vila, criadores de riqueza, emprego directo e indirecto e geradores de atractividade”.

Perante este manifesto de desagrado, contactamos Ricardo Costa, presidente da Direcção da cooperativa, para tentar esclarecer a que instituições e pessoa(s) se referem. Contudo, o mesmo optou por não o fazer dando conta de que “toda a gente sabe a quem se refere. Não vale a pena concretizar. Fá-lo-ei, quando achar oportuno”.