“E o pior cego de todos é aquele que não quer ver”
Domingo, Fevereiro 8, 2004

Vem isto a propósito da carta escrita pelo Sr. Manuel Marques da Silva e publicada na última edição do Jornal Reflexo, na qualidade de cidadão livre, paroquiano, freguês residente e recenseado na nossa Freguesia. Assim o espero pois, se a mesma foi escrita como membro da Assembleia de Freguesia, as afirmações proferidas e os juízos de valor emitidos ainda tornam a carta aberta mais grave e reveladora de falta de oportunidade, pelo que se pode concluir que, mais uma vez, perdeu uma óptima altura para escrever sobre outra coisa qualquer e não sobre o assunto escolhido.
Então, vejamos:
Afirmar que, desde o 25 de Abril de 1974 (últimos 30 anos), nada de importante aconteceu na nossa Vila até, e infelizmente, à realização de uma manifestação ilegal é, no mínimo, andar completamente distraído de tudo o que se passou ao longo destes anos e demonstrar uma falta de respeito para com todos os autarcas da Freguesia que, até à presente data, dedicaram boa parte dos seus tempos familiares à causa do desenvolvimento da nossa Freguesia;
Equiparar este trágico acontecimento aos festejos alegres das vitórias alcançadas pelo Turismo Hóquei das Taipas e Clube Caçadores das Taipas é, de novo, revelador do objectivo mesquinho que esteve na promoção da mesma manifestação: “não olhar a meios para atingir fins”;
Aproveitar um sentimento popular e levá-lo para o campo do “combate político” é revelador de uma enorme falta de senso, carácter e má fé política. Os Taipenses têm sabido, e bem, distinguir o trigo do joio e escolher claramente quem bem os representasse ao longo destes anos.
Pelo atrás exposto, e apesar de apenas residir nesta Vila desde 1987, entendi (e acho que estou no meu direito e não a cometer nenhuma ilegalidade), responder e resumidamente transmitir aos mais novos (pois os mais velhos lembram-se de tudo o que se passou nesta Vila desde o 25 de Abril de 1974) os factos relevantes e mais significativos da obra feita na vigência da Junta de Freguesia de Caldelas, nos seus 28 anos de existência:
Centro de Saúde das Taipas; Escola Secundária de Caldas das Taipas; Escola EB 2, 3 (Escola Preparatória); Escola EB 1 nº1 e nº2 (Escola Primária do Pinheiral e Charneca); Novo Quartel da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Caldas das Taipas; Novo Posto da GNR; Reactivação das Termas de Caldas das Taipas; arranjo urbanístico da Praça Conde de Agrolongo; arranjo urbanístico da Praça Dr. João Antunes Guimarães; reconstrução da zona envolvente da Capela de S. Tomé; Edifício Sede da Junta de Freguesia de Caldelas; Biblioteca (extensão Municipal) Raul Brandão; Centro Social Padre Manuel Joaquim de Sousa; Sede da Banda de Música de Caldas das Taipas; Variante à estrada Nacional nº 101 e 310 (esta em fase de conclusão) e o arranque das obras do novo recinto da feira semanal.
Anoto, pois, o momento infeliz do Sr. Manuel Marques da Silva quando escreveu o artigo de opinião e, neste contexto, ao Sr. Manuel Marques da Silva só resta pedir desculpa a todos os Taipenses. Acredito piamente que acredito que o fará já na próxima edição deste jornal, sob pena de ao representante da coligação PPD-PSD/CDS-PP ser imputado o ónus de pôr os assuntos pessoais à frente dos assuntos da nossa Freguesia.
Para concluir, deixo no ar uma pergunta a todos os Taipenses: se a nomeação (pela Câmara Municipal de Guimarães) do nosso Presidente da Junta de Freguesia de Caldelas para elemento executivo do Pólo Tecnológico das Taipas – Techpark – não é um corolário da obra feita por todos os autarcas, então, digam-me, o que será?

Pê éSses finais:

Quanto ao encerramento e transferência do Serviço de Saúde Pública do nosso posto médico para Urgeses, parece que já estou a ouvir: “Vamos aproveitar e dizer que se fossemos Concelho conseguíramos evitar isso. Como não somos, mais uma vez, chutamos a culpa para a Câmara Municipal de Guimarães…”

E, mais uma vez, os bons exemplos democráticos vêm de cima, neste caso do Ministério da Justiça.

E ainda, num acto de reflexão e solidariedade, desejos de paz eterna a Miklos Fehér.