PUB
33 anos de excelência
Domingo, Fevereiro 18, 2007

A Universidade do Minho (U.M.) comemorou, no passado dia 16 de Fevereiro, 33 anos de existência. Na Cerimónia Solene, que decorreu no Salão Medieval da Reitoria da U.M., no Largo do Paço, destaca-se a presença da Ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima.

Ao som do Coro Académico da Universidade do Minho (CAUM), acompanhado pelo Quinteto de Metais – Maestro Rui Paulo Teixeira, o Cortejo Académico iniciou, como é habitual, a Cerimónia Solene.

Num Salão Medieval totalmente preenchido, António Guimarães Rodrigues, Reitor da Universidade do Minho, foi o primeiro a usar da palavra, e proferir o discurso comemorativo do aniversário. No seu discurso, Guimarães Rodrigues frisou a excelência do ensino e investigação na U.M., dando exemplos concretos da inequívoca qualidade e prestigio da Academia Minhota.
No ano anterior, a Universidade do Minho viu serem preenchidas 92% das vagas das suas licenciaturas; um número que a coloca no 3.º lugar a nível nacional. No mesmo ano, viu o número de bolseiros de investigação duplicar, e o número de projectos de investigação aumentarem em 33%.

No que toca ao processo de Bolonha a Universidade do Minho tem já a funcionar, sob as novas metodologias de ensino aprendizagem, 60% das suas licenciaturas, preparando-se para este ano, completar a oferta, à luz do “Processo de Bolonha”.

Ainda no seu discurso, o Reitor da U.M. aproveitou para tecer algumas considerações sobre o Orçamento para 2007. Guimarães Rodrigues, criticou a solução encontrada pelo Governo para Financiar as Universidades em Portugal. Segundo ele, a aplicação do “factor de coesão” prejudica o orçamento da U.M., e vem retirar a capacidade de investimento e investigação, prejudicando academias com “bom desempenho”, como é o caso da U.M.

Também Pedro Soares, Presidente da Direcção da Associação Académica da Universidade do Minho (A.A.U.M.), no seu discurso, fez questão de salientar que “2007 será um ano complicado, devido aos “cortes orçamentais” no Ensino Superior” mas, segundo este, esta é uma oportunidade para provar que “as dificuldades geram oportunidades”.
“Não gostamos de pensar em dificuldades; preferimos pensar em formas de as ultrapassar”, garantiu.

Pedro Soares, aproveitou a ocasião para anunciar o grande objectivo para este mandato da A.A.U.M., que passa pela angariação de novos sócios. O dirigente, anunciou ainda que ao longo dos últimos mandatos da A.A.U.M., “fruto do esforço e rigor orçamental das anteriores direcções”, foram depositados 365 mil euros para o fundo de construção da nova sede da A.A.U.M.”.

Por sua vez, a Ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, pautou o seu discurso na relação que as Universidades estabelecem com a sociedade civil. Desviando-se um pouco do assunto “orçamento” a Ministra disse apenas que “é necessária criatividade e inovação para impor impacto económico”. Isabel Pires de Lima, acrescentou a “regra” para existir um bom desenvolvimento económico – Tecnologia, Talento e Tolerância (regra dos 3 T’s). Apelou para a existência de uma “sociedade criativa”, e garantindo que “as Universidades são parceiros insubstituíveis na construção destas [sociedades]”.

“A jovem e dinâmica Universidade do Minho, tem-se mostrado atenta às mudanças sociais, e é um exemplo a seguir” concluiu.

Após os 3 discursos, a cerimónia prosseguiu com a Oração de Sapiência, intitulada “O Estado, a Democracia e a Nova Desordem Internacional” proferida por Pedro Bacelar de Vasconcelos, docente da Escola de Direito da Universidade do Minho.

Seguidamente, deu-se a entrega das Cartas Doutorais aos novos Doutores da U.M., a entrega da Medalha da Universidade do Minho aos funcionários mais antigos da instituição e a entrega dos Prémios Escolares.

Alguns estudantes viram assim reconhecido o seu esforço e empenho nos estudos, sendo premiados com vários prémios. Foi nesta altura que se pode ouvir a maior ovação da cerimónia. Alexandra Silva, recém-licenciada em Matemática e Ciências da Computação na Universidade do Minho, obteve o prémio de mérito por ter alcançado a melhor média de curso da Universidade do Minho – 19 valores.
Após a entrega de todos os prémios e ao som do Hino da Universidade do Minho, o Cortejo Académico finalizou a cerimónia.

Ainda no dia 16, à noite, teve lugar, no Salão Medieval da Reitoria, o Concerto Comemorativo do 33º Aniversário da Universidade, com a Orquestra de Câmara do Minho, encerrando assim as comemorações.

Artigos Relacionados