PUB
Alunos da EB 2,3 das Taipas vão ser distribuídos por outras escolas do agrupamento
Alunos da EB 2,3 das Taipas vão ser distribuídos por outras escolas do agrupamento
Direitos Reservados
Quinta-feira, Fevereiro 16, 2017

Os trabalhos de demolição deverão começar logo após o fim do ano letivo. As obras decorrerão durante nove meses, o que obrigará a que os alunos desta escola, sejam distribuídos pelas escolas do agrupamento, no ano letivo 2017/2018.

As obras na escola EB 2,3 das Taipas vão durar nove meses e desenrolar-se-ão, segundo o presidente da Câmara, entre julho deste ano e abril de 2018. As demolições começam no fim deste ano lectivo e será durante esse período que a direcção escolar, a associação de pais e a vereadora da Educação vão tratar de distribuir os alunos pelas instituições de ensino que compõem aquele agrupamento escolar.

Na reunião de Câmara desta quinta-feira, 16, foram aprovadas por unanimidade as propostas repartição de encargos e de adjudicação da escola EB 2,3 das Taipas, que foi entregue ao consórcio da empresa de construção vimaranense M. Couto Alves e Alberto Couto Alves.

O empreendimento vai custar oito milhões e 300 mil euros, um montante que deverá ser repartido por três: “Eu quero que esta escola seja financiada em três partes, um terço pela Câmara, outro terço pelo governo e outro terço pelos fundos comunitários. É para isso que tenho trabalhado e tem havido abertura nesse sentido”. As declarações são de Domingos Bragança, que voltou a realçar que esta escola vai ser construída “por decisão do presidente da Câmara”, já que o edil nunca concordou que se fizesse um “remendo” à infra-estrutura existente “para voltar a ter problemas daqui a quatro ou cinco anos”.

Numa perspectiva mais optimista, Domingos Bragança disse que está aberto o cenário para “o total dos 85% do completo-financiamento para a escola”. Sobre a distribuição dos alunos que atualmente frequentam a escola, o edil esclareceu que “a vereadora da Educação já está a trabalhar com a associação de pais e a comunidade escolar para que no período das férias”, quando começam as demolições, se faça “o plano para que os alunos sejam instalados na área geográfica do agrupamento”.