PUB
Um “Google Maps” para o cérebro está a ser desenvolvido por engenheiro saído da UMinho
Quinta-feira, Janeiro 21, 2016

A criação de um software que permite obter imagens em 3D do cérebro humano está a ser desenvolvido por engenheiro saído da Universidade do Minho.

Paulo Rodrigues, 34 anos, formou-se em Engenharia de Sistemas e Informática, na Universidade do Minho. Faz parte de uma equipa que trabalha em Barcelona, no desenvolvimento de novas formas de ver o cérebro humano e, com isso, perceber melhor o diagnóstico e acompanhamento de doenças neurológicas como a esclerose múltipla, Parkinson ou Alzheimer.

A tecnologia está a ser desenvolvida pelo laboratório MintLabs do qual faz parte Walter Gilbert, que recebeu o Prémio Nobel da Química, em 1980. Os trabalhos estão a apurar a imagiologia do cérebro, de forma a que, no futuro, possamos ter uma espécie de navegador, como o Google Maps para visualizar ruas e estradas.

“As imagens obtidas atualmente, a partir de exames de ressonância magnética, são planas, a duas dimensões. Com essa informação, os neurocientistas conseguem ver apenas que há uma lesão nesta ou naquela parte do cérebro, sem conseguir identificar exaustivamente o problema” – explica o investigador.

A plataforma vem colmatar esta limitação ao permitir identificar as coordenadas exatas da lesão, quantificar se há mudanças no cérebro, se o número de lesões diminuiu, se a matéria cinzenta aumentou, se houve degeneração ou se existem novas conexões. A inovação já está a ser usada em centros de investigação e hospitais de Espanha e dos EUA.

Foto DR