PUB
Tradição e história em dualidade com a arte contemporânea numa exposição no CIAJG
Quinta-feira, Junho 30, 2016

A exposição que é inaugurada amanhã no CIJG, em Guimarães, propõem uma descoberta de objectos que fazem parte do perfil histórico, característico dos povos do Minho.

A nova exposição que estará patente no CIAJG – Centro Internacional das Artes José de Guimarães parte de uma recolha de objectos e de peças de várias proveniências que estarão expostas juntamente com criações de artistas contemporâneos.

O conjunto de artefactos fazem parte do que se considera domínio da cultura popular, religiosa e até arqueológica, que pelo percurso sugerido na exposição auxiliam à reconstrução, ao reconhecimento e até à recuperação de uma série de tradições, mitos e histórias que, em conjunto acabam por resultar numa reconstrução de um peculiar retrato sobre a essência de um povo.

O conjunto de objectos expostis no CIAJG fazem parte de colecções particulares, mas também do Museu Alberto Sampaio, da Sociedade Martins Sarmento, da Casa da Marcha Gualteriana ou do Museu da Agricultura de Fermentões. Há na exposição a oportunidade de apreciar peças provenientes da Ordem de São Francisco e da Igreja de São Domingos.

Em conjunto estas peças delineia um retrato dos muitos possíveis sobre um perfil de um povo antigo. A exposição será inaugurada esta sexta-feira, 1 de Junho, às 22 horas. Na mesma altura será apresentada a intervenção Musa paradisiaca, conjuntamente com uma performance de Calapez, integrada numa outra exposição instalada no CIAJG – “Labirinto e eco”.

Ainda em Julho, a 15, inaugura uma nova exposição – “Caminhos da Floresta [sobre arte, técnica e natureza] que propõem aos visitantes uma reflexão sobre os domínios da própria artes, questões que normalmente fazem parte de disciplinas como a estética e a semiótica.

As exposições do CIAJG poderão ser descobertas de terça a domingo, das 10 às 13 e das 14 às 19 horas.