Sucessivas quebras de energia levam utentes e profissionais de saúde ao desespero
Quarta-feira, Janeiro 4, 2012

As novas instalações das USF Duo Vida e Ara de Trajano, do Centro de Saúde das Taipas, estão inacabadas e, por isso, sem as condições necessárias para prestar o melhor atendimento aos utentes.

Desde a mudança para as novas instalações, ocorrida a 12 de Dezembro último, que as dificuldades de trabalho para os profissionais de saúde têm sido imensas.

As constantes quebras de energia, motivadas pela ausência de quadro eléctrico adequado, levam a que os serviços destas novas instalações funcionem com energia proveniente do chamado “quadro de obra” que serve também os trabalhos de construção que se estão a realizar na segunda fase daquela obra.

As quebras de energia são constantes e cada uma delas implica uma perda de tempo, nunca inferior a dez minutos, para reposição de sistema informático. Para se ter uma ideia, há manhãs em que tal acontece por mais de uma dezena de vezes. Provocado por esta situação, verifica-se diariamente um significativo atraso nos horários das consultas programadas com o consequente aumento de utentes em sala de espera. São, em muitos casos, longas horas de espera para conseguir ser atendido pelo respectivo médio. Caso há em que os utentes têm de regressar da parte da tarde, sem garantia de que poderão vir a ser atendidos.

Por outro lado, estas quebras de energia já provocaram também prejuízos em diversos equipamentos das centrais telefónicas locais o que inviabiliza o seu funcionamento adequado.

No fundo, uma situação que se vai degradando de dia para dia e que começa a gerar, entre os utentes, uma grande onda de contestação.

Ao que conseguimos saber, junto de responsáveis pelas USF taipenses, a EDP já há mais de seis meses que é conhecedora da necessidade de instalação do referido quadro eléctrico.

Toda esta situação acaba por ter também influência no funcionamento das USF de Ponte e Ronfe. O Servidor Informático destas duas USF está centralizado nas Taipas. Com as referidas quebras de energia, a USF de Ronfe e Ponte também perdem, sucessivamente, o acesso a todo o serviço informático.