PUB
Sempre pelo investimento
Quarta-feira, Outubro 12, 2016

Foi anunciado estes dias o aumento de capital da cooperativa Taipas Turitermas no montante de €1.600.000,00; dinheiro que a Câmara Municipal de Guimarães vai injectar. Tal aumento de capital destina-se a financiar a construção de um polidesportivo no parque de lazer das Taipas.

Como cooperativa de capitais quase exclusivamente público – 99% do capital – era suposto esta empresa municipal prestar serviço público. Este serviço público passa pela prestação de serviços a preço mais reduzido a pessoas com demonstrada carência económica; ou prestação de serviços que, pela sua natureza, estejam arredados da prestação por particulares.

Ora, a Cooperativa Taipas Turitermas, não presta uma coisa nem outra. Melhor dizendo, presta serviços em concorrência com os particulares – concorrência desleal porque o investimento é público – e pratica, indiscriminadamente, preços de mercado: quer na fisioterapia, quer na clínica médica, quer nas piscinas e parque de campismo. As piscinas são as mais caras do concelho e têm dado, em média, receita de € 90.000,00 ano.

Dado o exposto, era suposto a Cooperativa gerar valor para investir nos activos que lhe foram dados pela Câmara Municipal e gerar outros activos e valores.

Mercê de prejuízos sucessivos, a Cooperativa não tem meios para investir o que quer que seja, a não ser com apoios comunitários – não deixam de ser públicos – e através de empréstimo concedido pelo Banco Europeu de Investimentos.

A Câmara Municipal de Guimarães resolveu construir um polidesportivo no parque de lazer das Taipas. Em vez de ter como interlocutor a Junta de Freguesia eleita pelo povo, pôs a Taipas Turitermas a construir, por meio de aumento de capital.

Na verdade, o terreno é da Câmara; O dinheiro para pagar a construção é da Câmara; Até o parecer emitido ministério do ambiente foi pedido pela Câmara.

Se a Câmara desse o terreno, o dinheiro, e o parecer à Junta de Freguesia esta construía o polidesportivo? CLARO QUE SIM. E porque é que aparece a Turitermas neste processo a construir.

Constitui tal procedimento um aprofundamento da estratégia politico partidária do PS para ostracizar a Junta de Freguesia de Caldelas e louvar os seus militantes taipenses.

Já não chega dar-lhes empregos; também se congeminam esquemas de atribuição de méritos onde não existem pois os prejuízos são acumulados.

A Junta de Freguesia é favor de investimentos nas Taipas: venham de onde e de quem vierem. É a principal interessada nisso.

O que não pode é concordar que os investimentos públicos, com dinheiro de todos, se façam por intermédio da Taipas Turitermas quando, e devido à natureza do investimento, deveriam ser realizados pela Câmara ou pela Junta de Freguesia, conforme o regime jurídico das autarquias locais. Estes sim, os verdadeiros entes autárquicos.

A ÉTICA, que se materializa em elevados padrões de correção, é abastardada pela Câmara e pela Taipas Turitermas.

Tesoureiro da Junta de Freguesia de Caldelas