Sandinenses e a ida a Kaiserslautern
Segunda-feira, Agosto 8, 2005

Manuel Fernandes, director desportivo do Sandinenses, tem este clube como a sua segunda casa. Revela ser uma pessoa com carisma e muito determinada em defender as cores do clube de Sande. Para esta época pretende continuar com a filosofia da época passada, “o Sandinenses tem de continuar a ser clube ganhador, tendo como objectivo a permanência na 2ª Divisão.

Recentemente estiveram na Alemanha. Quais foram os objectivos que levaram na bagagem para a esse país?
Fundamentalmente estabelecer um intercâmbio entre clubes da Alemanha e de outros representantes de diversos países que estiveram presentes. Os aspectos competitivos não foram dominantes, interessou mais a rodagem para alguns jogadores.
O Sandinenses foi o único clube português a representar o nosso país?
Kaiserslautern é uma cidade na Alemanha que é geminada com Guimarães. Fomos a convite da Câmara e estivemos a representar o concelho e o país. Aliás uma das coisas que marcou os atletas foi logo na apresentação e quando jogamos estar sempre hasteada a bandeira portuguesa.
O Sandinenses esteve enquadrado num grupo com adver-sários da Itália, Alemanha e da Suiça. Como decorreram os jogos?
Fizemos os três primeiros jogos, eliminámos os adversários e acreditámos que o Sandinenses seria um grande candidato aos primeiros lugares. Não foi possível, perdemos um jogo somente na transformação de grandes penalidades.
Quando entramos em competição nunca queremos perder. Mas temos que dar mérito às equipas que ficaram à nossa frente. Por exemplo a equipa de Ruanda era a sua selecção principal, a equipa do Luxemburgo que nos eliminou é da primeira divisão desse país. Acabamos por ficar em 5º lugar num jogo que perdemos, como já referi, nas grandes penalidades.
Quais foram os melhores momentos da estadia na Ale-manha?
As pessoas foram sempre fantásticas. Colocaram-nos um autocarro novo com motorista privativo à nossa disposição, já com publicidade ao Mundial de 2006 que se vai realizar precisamente na Alemanha. Fizemos algumas visitas a empresas, por exemplo, a ida à maior fábrica do mundo de produtos químicos. Em termos simbólicos ofereceram uma moeda alusiva ao Mundial de 2006 que ainda não está em circulação. Alguns já receberam convites para estarem presentes no próximo mundial de futebol e ainda marcante foi o baptismo de voo para alguns jogadores do plantel.
Como foi receber a medalha de mérito desportivo, por parte da Câmara Municipal de Guimarães?
É um reconhecimento votado pela Câmara por unanimidade, o que é de realçar. O clube ficou satisfeito e é mais uma prova do bom trabalho que se faz neste clube há 19 anos.
Falando um pouco da nova época, o que desejam para este novo começo de trabalho?
O que desejava era que esta época começasse mais cedo que aquilo que vai começar. Já tínhamos as coisas programadas, obrigámos os atletas e a equipa técnica a estarem mais cedo sem necessidade. A Federação Portuguesa de Futebol resolverá o problema e o clube terá, quando começar o campeonato, de encontrar o caminho certo e lutar pela permanência na 2ª Divisão Nacional.
O que é que os adeptos podem esperar do Clube?
Sempre transparência, honestidade, dignidade e muito trabalho.
E o que esperam dos adeptos para esta nova época?
Esperamos mais apoio, mais presenças e mais carinho.
O mister Carvalho refere várias vezes que os jovens do Sandinenses são ambiciosos, com imensa vontade de ganhar.
O mister Carvalho, nesse aspecto, teve um grande sucesso e um grande papel em incutir essa filosofia de vencedores nos jogadores. Foi também feliz quando contratou jogadores jovens, mas com escola.
É esta filosofia que querem manter para esta época?
Os bons exemplos são para seguir e os maus são para terminar.
O que temem para esta nova época?
Descem quatro clubes e o Sandinenses pode ser um deles. Confio nos atletas e na equipa técnica para que isso não aconteça.
Para concluir, Freitas, Pedrinho e Vitinha são para ficar?
Os rapazes têm qualidades. Aceitaram o desafio de fazer a pré-época e será a equipa técnica a decidir o futuro desses jogadores. Se a equipa técnica entender que podem ser prejudicados pelas exigências desta 2ª Divisão, o clube continuará a contar com eles mas poderão ser emprestados. Mas serão eles os primeiros a sa-berem da decisão final.

Dores Lopes

Artigos Relacionados