PUB
Sala cheia no Theatro Circo para ouvir quarenta anos do Portugal democrático
Sábado, Maio 24, 2014

Foi com o público em pé e a cantar “só há liberdade a sério quando houver / a paz, o pão / habitação/ saúde, educação/ Só há liberdade a sério quando houver/ Liberdade de mudar e decidir”, que Sérgio Godinho encerrou o seu concerto

A sala de espetáculos emblemática da cidade de Braga vibrou com o concerto “Liberdade”, na noite de 23 de maio. Sérgio Godinho, muito bem acompanhado (Nuno Rafael, guitarras, percussões e coros; Nuno Espírito Santo, baixo; João Cardoso, teclado e coros e Sérgio Nascimento, bateria e percussões), revisitou algumas das músicas mais emblemáticas da sua carreira.

Em versões mais elétricas do que as originais, “Que Força é Essa?”, “Maré Alta”, “Etelvina”, “A Noite Passada”, sem esquecer, naturalmente, a canção que dá o mote a este espetáculo, “Liberdade”, estiveram presentes no alinhamento. Um dos momentos mais fortes e com referências musicais às gerações mais novas, foi a interpretação de “Os Vampiros”, original de Zeca Afonso. Sérgio Godinho conquistou facilmente o público que quase lotou o espaço, e este acabaria por “exigir” o regresso ao palco do autor de “O Primeiro Dia” por duas vezes.
Sérgio Godinho recuperou ainda algumas músicas menos conhecidas, como “Maçã Com Bicho (Acho Eu Da Praxe)”, que contextualizou com a trágica atualidade vivida recentemente no mundo das praxes.