Rio Ave e a intervenção do público foram os temas dominantes da última Assembleia de Freguesia
Segunda-feira, Outubro 3, 2011

A limpeza do rio Ave e a forma como o público pode participar nas Assembleias, foram os temas que mereceram a maior atenção dos membros da AF. Sobre a limpeza do rio o Partido Socialista ficou com muitas perguntas sem resposta.

Sobre a limpeza do rio Ave Ricardo Costa do PS frisou que é a favor da limpeza do rio e está disposto a ajudar, mas acusou o Presidente da Junta de não saber fazer as coisas, de não ter projecto e de nem sequer ter pedido autorização aos proprietários dos terrenos.

Constantino Veiga refutou as acusações dizendo que a Junta de Freguesia promove e o empreiteiro trata das licenças. E frisou ainda que a ideia de repor a praia fluvial, com barcos e gaivotas no parque de lazer da vila é considerada em Guimarães uma quimera.

Mário Ribeiro pelo PSD mostrou satisfação pelas explicações dadas pelo órgão executivo e disse não perceber a actuação do PS dado que diz estar a favor da limpeza do rio mas critica a actuação da Junta de Freguesia.

O socialista Luís Soares insistiu neste assunto fazendo várias perguntas concisas ao executivo. O Tesoureiro da Junta de Freguesia, Armando Marques, retorquiu, contudo as perguntas ficaram sem resposta.

Da bancada social democrata, Armando Abreu, tomou da palavra para lamentar o facto de o “canal continuar entupido”, fazendo alusão as relações institucionais entre a Junta de Freguesia e a Câmara Municipal de Guimarães.

Terminada a ordem de trabalhos o público foi chamado a participar. Os fregueses Carlos Marques, Ângelo Freitas, Manuel Martins, Lima Pereira e Fernando Ribeiro não tomaram a palavra, sem antes, o Presidente da Mesa relembrar as regras impostas pelo regimento quanto ao tempo e destinatários das interpelações do público as quais não podem ser dirigidas à JF.

Quase todos os fregueses vincaram a sua preocupação com a poluição no rio e ribeiro da canhota bem como o seu desagrado pela passividade com que as entidades competentes têm tratado o assunto. Foi pedido mais acção dado que o debate sobre o tema já está mais que feito.

Ricardo Costa pelo PS foi o mais interventivo dando nota de algumas das suas iniciativas sobre o tema. No seguimento de algum bulício por parte dos membros da Assembleia e JF quanto à forma como o novo regimento permite que o público participe, nomeadamente quanto ao facto da JF não poder participar quando é visada, como o foi, o freguês Lima Pereira pediu que este tema fosse revisto, sob pena das pessoas não comparecerem a estas reuniões magnas.

Dadas as reservas legais levantadas pelo próprio Presidente da Mesa e por alguns membros da Assembleia, não foi concedido a palavra a JF.

Uma nota ainda para a presença do MAT, Movimento Artistíco Taipense, numa acção organizada e silenciosa que não passou despercebida. Não tiveram qualquer intervenção e abandonaram a sala pouco antes do final da sessão. Contactado o Presidente do MAT, Pedro Conde, este referiu que quiseram somente marcar presença deixando em aberto uma tomada de posição pública numa proxima reunião magna.

Na próxima edição do Jornal REFLEXO poderá saber mais pormenores desta sessão ordinária da Assembleia de Freguesia.

José Henrique Cunha.