PUB
Retalhos do Futebol
Segunda-feira, Outubro 31, 2005

1 – O Clube Caçadores das Taipas chega ao fim do mês de Outubro em primeiro lugar na Divisão de Honra da Associação de Futebol de Braga, instalando-se na posição para a qual se comprometeu a ocupar no início da temporada. Para trás ficam alguns “espinhos”, já que a missão desta equipa não tem sido fácil. O treinador Francisco Sousa defende que o Taipas terá de esperar dificuldades até ao final, uma vez que na sua opinião “o Taipas é o Benfica deste campeonato” – e explica – “todos os adversários jogam contra a nossa equipa com mais força e têm mais vontade em ganhar os jogos, porque sabem que estão a jogar contra um candidato”. Ora bem, esta opinião de Francisco Sousa! E todos percebem a comparação… Todavia, o Taipas ainda não perdeu qualquer jogo em casa – contrariamente ao Benfica que foi derrotado pelo Gil Vicente -; e ainda se pode dar ao luxo de se assumir como líder desta prova (escrevo estas linhas a 29 de Outubro), enquanto o Benfica tem de suar mais um pouco para chegar ao topo da classificação no seu campeonato. Bem feitas as contas, Francisco Sousa está a dar melhor conta do recado do que o holandês Ronald Koeman…
2 – As famosas “chicotadas-psicológicas” continuam a abonar no nosso “fantástico” futebol português. Só na Super Liga contabilizam-se quatro despedimentos de treinadores. A razão é sempre a mesma, ao ponto de não ser necessário redigir uma carta oficial a fim de registar a nota do despedimento, dado que o conteúdo textual é sempre o mesmo e essa carta quase que é utilizada todos os anos pelos clubes… O bracarense Carlos Carvalhal foi o último a seguir para o “banco” dos “desempregados”, deixando o Belenenses, juntando-se a José Peseiro, que foi destituído do comando do Sporting. A União de Leiria e Marítimo já tinham utilizado esta mesma “táctica”. Na Liga de Honra, o Moreirense prescindiu de Vítor Paneira e Ferreirinha demitiu-se do Maia…O trabalho dos treinadores, quando os resultados não aparecem, é sempre contestado. Estranha forma de vida esta que se apregoa no nosso futebol! Mas, afinal, quem escolhe os treinadores? Se um técnico tem de assumir a “culpa” porque errou nas opções (tácticas ou técnicas) feitas na equipa, porque não condenar igualmente aquele(s) que tomam as opções em escolher o treinador, ou seja, o presidente (assim é normalmente, mas nem sempre!)? E, se o presidente toma más opções, não sabe gerir o clube da melhor forma a nível desportivo ou financeiro, toca a punir aqueles que decidiram pela sua eleição. Há que tomar medidas drásticas, a ver se isto toma um rumo acertado, pois em caso contrário andamos sempre neste ciclo vicioso… (Já imaginaram a inversão dos papéis, e ver um treinador a assobiar aos associados um dia destes…).
3 – O atraso no pagamento dos salários mensais aos atletas do Vitória de Setúbal é outro tema que marcou o mês passado e “chocou” (!!!!!) muita gente. Como é possível, com apenas três meses de trabalho, em início de época, e já não existir verbas para pagar aos funcionários numa estrutura profissional (como é o caso)???? Onde estão as garantias financeiras, e devidamente documentadas, exigidas pela Liga de Clubes, aquando as inscrições das equipas para os Campeonatos? Com certeza, o Vitória de Setúbal teve de apresentar garantias, conforme exigem os regulamentos, caso contrário somos obrigados a pensar que a Liga de Clubes (organismo máximo que tutela o futebol português) agiu com cumplicidade na aprovação da inscrição do clube sadino. E se assim foi, há que apurar responsabilidades! Se a Liga de Clubes está inocente, perante a recepção da documentação que garante as tais garantias financeiras ao clube de Setúbal, então alguém forjou tal documentação! Eis um crime… E será que é só o Vitória de Setúbal que está envolvido nesta teia? Não me parece…