PUB
Por uma sociedade tolerante
Segunda-feira, Fevereiro 9, 2015

SENSIBILIZAR A OPINIÃO PÚBLICA
O primeiro objectivo fixado pela UNESCO, quando se celebrou o Ano Internacional da Tolerância, foi: “Sensibilizar a opinião pública da falta de tolerância entre as nações, comunidades e pessoas”.

A opinião pública é uma forma de participação massiva dos membros da comunidade nos acontecimentos.

Os romanos falavam de “vox populi” (voz do povo) para indicar as reacções populares ante qualquer acontecimento relevante. Durante a Idade Média usava-se o termo “consensus” (consenso), quando um veredicto da autoridade judicial ou policial era aceite pela maioria.

Os poderes estabelecidos, frequentemente, pretendem controlar a opinião pública a fim de assegurar ou perpetuar esse poder. Com o aparecimentos dos meios de comunicação modernos, o controlo e a manipulação da opinião pública é ainda mais fácil.

Uma opinião pública tolerante é aquela que reage a tudo o que tiver o selo da intolerância, e apoia tudo o que tiver como objectivo a tolerância. As pessoas terão como frase que os inspira a seguinte: TODOS IGUAIS MAS TODOS DIFERENTES.

APERFEIÇOAR OS SISTEMAS EDUCATIVOS
Este esforço de aperfeiçoamento tem como objectivo preparar as gerações futuras para viver em sociedades em mudança e multiculturais.

Este objectivo forma parte do programa do “Plano de Escolas Associadas da UNESCO”, uma rede de vários milhares de escolas, presente em 131 países, pelo menos.

A título de exemplo, nas escolas estatais de duas povoações de Leon (Espanha) metade dos alunos são portugueses. A programação da escola prevê aulas e actividades de língua e cultura portuguesas para todos os alunos. Assim, ao mesmo tempo, os alunos portugueses integram-se na realidade leonesa, os leoneses enriquecem-se com a bagagem cultural que lhe trazem os seus colegas portugueses. Nas festas de ambas as escolas estão presentes os elementos folclóricos de ambas as culturas.

Esta informação é dada pelo coordenador deste programa da UNESCO. Mas há outros exemplos, e cada vez em maior número, por esse mundo fora, pois é necessário que se fomente a tolerância através destas e de outras actividades.

ACÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO
Os meios de comunicação devem favorecer a tolerância, dando espaço para as diversas opiniões ante os acontecimentos, fazendo-o sem parcialidade.

Não é fácil para o jornalista exercer a sua missão. Facilmente se pode deixar vender por um prato de lentilhas e passar a servir apenas determinados interesses.

Não queremos jornalistas que queiram ser eles a dizer o que está bem e o que está mal, o que é valor e o que é contra-valor.

Também não queremos que os jornalistas relativizem tudo, como se fosse cada pessoa quem determina o que é bem e o que é mal.

Desejamos jornalistas que relatem os acontecimentos, escrevam os seus artigos de opinião, mas promovam no leitor a capacidade de reflectir criticamente sobre as situações, para que seja o leitor a ter a última palavra.