Por uma nova cultura da água em Portugal: “Água com futuro”
Quarta-feira, Outubro 10, 2012

A 1 de Outubro celebrou-se mais um Dia Nacional da Água. Em ano de acentuada seca mais importante se torna que todos estejamos de olhos postos neste líquido precioso. A Terra docemente no-lo oferece e que tanto, tanto devemos respeitar, poupar e conservar. Este recurso natural é de importância vital para todos nós, enquanto membros da comunidade de seres vivos deste planeta. O nosso corpo é constituído por cerca de 60% de água em homens adultos e 55% em mulheres adultas. A quantidade de água no nosso corpo designa-se por água corporal total (ACT) e varia com a idade, sexo, massa muscular e tecido adiposo. Sabia que a distribuição da água no nosso organismo é de: cérebro – 85%; pulmões – 80%; rins – 80%; sangue – 79%; coração – 77%; músculo – 73%; fígado – 73%; pele – 71%; osso – 22%; gordura – 30%; dentes – 10% (fonte: Institut de L’eau)? É muita água! Se queremos ser saudáveis devemos beber por dia entre 2 a 3 litros de água, quantidade que varia em função da idade. Bem, só por aqui ficava demonstrado que somos seres dependentes da água! Água é vida! Já, outros nossos companheiros seres vivos, as medusas, essas dão-se ao luxo de ter o corpo formado por 95% de água! A alface que ingerimos em deliciosas saladas é constituída por 95% deste ouro transparente, o tomate por 94%, a melancia, por 92%, a couve-flor, por 92%, o melão por 90%, o abacaxi por 87% e a banana por 74%, por isso uma fonte de água diária são também os alimentos. A água é imprescindível para todos os seres vivos, já que desempenha funções absolutamente vitais, tais como, regula a temperatura do corpo, mantém as células do tamanho e forma adequados, integra todos os líquidos orgânicos (sangue, urina, suor, etc.) e intervém em todos os processos de transformação, no interior do organismo.

A nossa Terra é o Planeta Azul! Água, água, até podemos achar que há muita, mas água doce, essa é que já é contada a gotas. Não esquecer que 97 % da água existente no planeta é salgada, e dessa, apenas 3% é água doce, da qual 2% se encontra nos glaciares, o que implica que neste momento não é usada para consumo. Portanto, menos de 1 % de água constitui reserva de água potável que pode efectivamente ser usada por nós. Temos de acarinhar e compreender o ciclo natural da água, de forma que à escala global todos possamos partilhar e cooperar pela causa nobre de cada um ter direito a beber água potável. Em época de crise, coloca-se cada vez mais a questão de do acesso à água potável, mesmo os que não têm forma de a pagar, já que famílias inteiras estão desempregadas. Mas aí estamos dependentes de decisões governamentais, que esperemos que estejam atentos e actuem para que ninguém seja discriminadado.

O Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água (PNUEA), que esteve recentemente em fase de consulta pública, tem uma estratégia de implementação no período 2012 – 2020. O PNUEA tem por lema “Água com futuro” e é uma ferramenta chave para uma nova politica e cultura da água em Portugal. Este programa baseia-se “na redução de perdas e na optimização do uso da água e tem como objectivo prioritário a promoção do uso eficiente da água essencialmente nos sectores urbano, agrícola e industrial, contribuindo para minorar os riscos de escassez hídrica para melhorar as condições ambientais nos meios hídricos, sem pôr em causa as necessidade vitais e a qualidade de vida das populações, bem como o desenvolvimento socioeconómico do pais” (www.apambiente.pt/). O PNUEA pretende a criação de uma nova cultura do uso eficiente da água e para isso a sensibilização e informação das pessoas é fundamental, para que novas atitudes possam ser adoptadas. Por isso, no website da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) em https://www.apambiente.pt/ é possível fazer o download de recursos educativos e de sensibilização destinados a crianças, consumidores de água doméstica, técnicos e gestores de sistemas de abastecimento de água, bem como profissionais da indústria e da agricultura.

Cooperar a é imprescindível já que estamos a falar de um recurso partilhado entre países, pessoas e seres vivos em geral. Neste sentido, a Assembleia das Nações Unidas declarou o período de 2005 a 2015 como sendo a Década da Acção pela “Água para a Vida” (2005-2015), o ano de 2013 como o “Ano Internacional das Nações Unidas para a Cooperação pela Água” e instituiu o “Dia Mundial da Água”, a 22 de Março.

Relativamente a atitudes concretas que podemos tomar cada um de nós, para além de evitar o desperdício, fazer a reutilização e contribuir para não poluir a água, podemos envolver-nos por exemplo, enquanto cidadãos responsáveis e indivíduos promotores da mudança, adoptando um troço de um rio. Como? Através do “Projecto RIOS” – que já mereceu um prémio de empreendedorismo social – e assim participarmos de forma activa na melhoria, sensibilização ambiental, limpeza, controlo, estudo e verificação da qualidade da água dos nossos rios e ribeiras.

Vamos cuidar das linhas de água mais perto de nossa casa – adoptemos um troço de rio, por exemplo, daquele onde está a albufeira da qual é recolhida a água que bebemos em casa! Participemos na melhoria das nossas linhas de água para assegurar a nossa sobrevivência, a da flora e fauna que habitam os ecossistemas ribeirinhos e os restantes seres vivos do planeta.

O Projecto Rios é um excelente exemplo de projecto de cidadania e que nos dá ferramentas para podermos mudar o panorama dos rios e da qualidade da água em Portugal. Façamos a nossa parte! Vejamos se temos algum grupo inscrito no Projecto Rios na nossa localidade, qual o troço de rio adoptado e constituamos com amigos, família, colegas, vizinhos, um novo grupo para adoptarmos nós próprios mais 500 metros de um rio ou ribeiro (www.projectorios.org/). Assim, temos a certeza que estamos a contribuir para que Portugal tenha uma nova cultura da água e que e nós, a restante comunidade de vida e a água tenhamos futuro neste maravilhoso planeta!