Partidos procuram candidatos
Quarta-feira, Maio 4, 2005

Tal como fizemos nas últimas eleições, o Reflexo avança com os possíveis candidatos. Não temos problemas em afirmar que se trata de um simples exercício de reflexão, nem temos problemas em sermos ultrapassados pela realidade.

Remísio Castro candidato a 5º mandato?
Esta é a grande questão que se coloca. Será que Remísio Castro se vai candidatar a um quinto mandato consecutivo? Se o fizer poderá sempre apontar o trabalho que tem desenvolvido ao longo dos seus mandatos.
Como se pode ver pelo gráfico, resultante da estratégia (!) que tem seguido na vila, o PSD tem vindo a perder força política em termos autárquicos. Nas últimas não apresentou uma lista própria. Este ano terá de fazer um grande esforço para inverter esta tendência.
Quanto à CDU, única força política que tem registado sempre um acréscimo, poderá registar novamente mais votos, mas dificilmente será uma candidatura vencedora. A não ser que, por força das circunstâncias e de uma concertação estratégica, venha a ser o único partido a concorrer contra o PS, o que muito dificilmente acontecerá.
O CDS não deverá apresentar candidato próprio. Juntar-se-á ao PSD e juntos vão tentar reunir diversas personalidades, que se foram alheando destes dois partidos nos últimos anos, para apresentarem uma lista com possibilidades de vitória.
Por sua vez, a UT é evidente que já deixou de existir há algum tempo atrás e será mais que previsível que a experiência não se volte a repetir, pelo menos nos mesmos moldes.
Faltará falar no MTAC. Agora com uma gestão mais suave, menos visível, menos conflituosa, não será ainda desta que concorrerá de uma forma aberta em Outubro.

Remísio Castro
O mais natural será o próprio Remísio Castro não querer ser novamente candidato. A posição que ocupa na estrutura do Avepark tirar-lhe-á cada vez mais tempo, exigirá mais concentração e esforços da sua parte. Por outro lado, que desafios ou que metas levariam Remísio Castro a candidatar-se mais uma vez? Também é evidente, e toda a gente o sabe, que é muito difícil uma pessoa libertar-se de um certo quotidiano e, porque não, do protagonismo que qualquer cargo de liderança confere a uma pessoa.
Por estas e outras razões estamos em crer que Remísio Castro só será novamente candidato se António Magalhães lhe disser que “tem que ser”.

Avelino Marques
Candidatos à sucessão de Remísio Castro não faltam ao PS. Como é visível e público, o PS não tem descurado o seu futuro. Tem vindo a preparar um quadro de jovens, através da presença nas mais diversas associações. Tirando os Bombeiros e pouco mais, são pessoas afectas ao PS que lideram as associações existentes na vila. Admitimos que poderá ser uma mera coincidência, mas… (até o próprio C. C. Taipas está a ser empurrado para o PS, fazendo-se crer que o Taipas só poderá ter salvação com uma intervenção política. Adiante).
Avelino Marques, não sendo um jovem nestas andanças, já poderia ter sido o candidato do PS, neste momento estará mais próximo de continuar no associativismo do que de se candidatar à Junta de Freguesia.

José Luís Oliveira
O jovem advogado é uma das pessoas que tem acompanhado Remísio Castro e Avelino Marques em diversos projectos políticos e associativos.
Poderá surpreender muita gente o facto de aparecer como cabeça de lista. A sua capacidade de trabalho, a sua juventude, aliado ao facto de ser um homem da terra, são alguns pontos a favor. Como contra, terá a falta de experiência em órgãos autárquicos.

Paulo Pereira
Experiência autárquica é algo que este professor foi ganhando nestes últimos anos. Tem passado, num ou noutro caso, por associações juntamente com Remísio Castro. Acreditamos que ainda não será desta que encabeçará uma lista autárquica. Pontos a favor: o facto de ser jovem, mostrar dinamismo e será, de todos, o elemento que poderia dar mais tempo à Junta de Freguesia. No entanto, o facto de não ser filiado no PS, não ser consensual em alguns círculos e, como alguns gostam de dizer, não ser um verdadeiro “taipense”, pois é natural do Porto, serão os pontos contra. No entanto, poderá nem integrar a lista socialista. Nos pratos da balança, estão a política e o associativismo e do outro a família.

Constantino Veiga
Deverá ser a pessoa a viver o maior dilema destas eleições. O seu trabalho na Junta foi notório. Gostou da experiência e gostaria de ser presidente. Para isso, tem a percepção que só sairia vencedor numa lista do PS ou numa do PSD e, neste caso, teria que juntar nomes sonantes. Através da lista que o projectou, a CDU, muito dificilmente ganhará as eleições. Os últimos tempos na Junta tripartida mostraram que a porta do PS estava a fechar-se. Pelo PSD dá um grande salto político (que muitas vezes sai caro), mas não temos dúvidas que muitos sociais-democratas o veriam com bons olhos e lhe dariam o seu apoio. Já mostrou que é uma pessoa que leva os projectos em frente e é, sem dúvida, um bom candidato.

Armando Abreu
Surge nesta lista simplesmente pelo facto de ter participado na Junta de Freguesia. É uma pessoa que mostrou que gosta das Taipas e que gostaria de fazer algo por esta terra. No entanto, não será candidato. É sempre um nome a integrar a lista do PSD.

Cândido Capela
Constantino Veiga, nestas eleições, seria o candidato natural da CDU. Caso este não avançe, Capela Dias terá de encabeçar a lista. Na eventualidade do PSD não arranjar candidato ou de apresentar um candidato imposto por Guimarães, a CDU poderá ser a grande surpresa das próximas eleições.

João Ribeiro
O actual presidente da Junta de Freguesia de Longos circula como possível candidato pelo PSD. Caso se verifique esta mudança, estamos em crer que o PSD perderá a freguesia de Longos e em nada acrescentará na freguesia de Caldelas, mesmo contando com o apoio do movimento pró concelho.

alfredo@reflexodigital.com

 

PUB

Artigos Relacionados