Para o sucesso do matrimónio
Quarta-feira, Janeiro 11, 2006

1. Mas isso será mesmo importante?
Não só importante, mas muito importante. É que certas faltas de compreensão e de diálogo dependem da ignorância da psicologia do partner.
Alguém poderia afirmar: «o homem e a mulher são iguais e, ao afirmar que eles têm uma psicologia diferente, está-se a discriminá-los». A título de resposta, convém esclarecer que o homem e a mulher são absolutamente iguais quanto à dignidade pessoal. Ambos são «criaturas de Deus», ambos são «pessoas», ambos têm os mesmos direitos e os mesmos deveres. Ora se o homem e a mulher são substancialmente iguais enquanto pessoas, também são substancialmente iguais quanto à psicologia. Portanto, falando de psicologia masculina e feminina nunca se deverá proceder segundo a lógica do «sim» ou do «não», mas antes segundo a lógica do «mais» e do «menos».
Falando, por exemplo, da afectividade, nunca se deverá dizer: «A mulher tem sentimento enquanto que o homem não tem sentimento»; mas dever-se-á dizer: «A mulher tem, normalmente, mais sentimento e o homem tem, normalmente, menos sentimento»: ou melhor, dever-se-á dizer: «o homem e a mulher têm um modo diferente de sentir».
Dito isto, convém acrescentar que devemos falar mais de «diferenças individuais» do que «diferenças segundo os sexos». Contudo, as diferenças psicológicas entre homem e mulher não devem ser desvalorizadas.

2. De que é que dependem as diferenças psicológicas entre os dois sexos?
Dependem:
– das diferenças anatómicas e fisiológicas, enquanto o corpóreo influi sobre o psíquico;
– do diferente sistema hormonal, presente no homem e na mulher, que produz muitas modificações psicológicas;
– do ambiente social e histórico (cultura), que educa de maneira diversa os rapazes e as raparigas.
Todavia, seria errado atribuir uma importância determinante à cultura corrente. É que as diferenças psicológicas entre homem e mulher, embora sejam influenciadas pela mentalidade do período histórico que se está a viver, têm a sua raiz mais profunda no facto de que o homem é «todo sexuado» em sentido masculino e a mulher é «toda sexuada» em sentido feminino.

3. As diferenças psicológicas entre homem e mulher abrangem todo o mundo psíquico ou referem-se só a determinados sectores da psique humana?
Na realidade, as diferenças psicológicas entre homem e mulher abrangem toda a psique: a inteligência, a vontade, o sentimento, a imaginação, a sensibilidade, a sexualidade…

4. Poder-se-iam dar alguns exemplos para saber quais são as diferenças psicológicas entre homem e mulher?
É perigoso dar exemplos, pois este assunto exigiria uma abordagem mais completa. Todavia, podemos tentar fazê-lo, para ajudar a intuir a necessidade do recíproco conhecimento a nível psicológico.
No que se refere à inteligência:
– O homem apresenta uma inteligência mais inclinada para a síntese, mais abstracta, mais racional, mais simples, mais segura ou até presunçosa.
– A mulher apresenta uma inteligência mais inclinada para a análise, mais concreta, mais intuitiva, mais complicada, mais levada para a autocrítica. Estas características levam a que a mulher se sinta, muitas vezes, incompreendida.
No que se refere à vontade:
– O homem apresenta uma vontade mais levada para a imposição, mais ambiciosa, mais orientada para as conquistas sociais…
– A mulher apresenta uma vontade mais indulgente, mais capaz de enfrentar o sofrimento físico, inclinada para atingir os objectivos a que se propõe por caminhos longos e, por vezes, tortuosos.
No que se refere à afectividade o homem e a mulher têm uma maneira diferente de sentir:
– O homem tem uma afectividade menos viva e vibrante, mais equilibrada e serena, menos duradoira…
– A mulher tem uma afectividade intensa, impressionável, muito sensível à atenção dos outros, capaz de grandes alegrias e de profundos sofrimentos, aberta a captar os aspectos estéticos das pessoas e das coisas, inclinada para reviver alegrias e sofrimentos do passado, mais saltitante, isto é, capaz de passar da alegria à tristeza (e vice-versa) em muito pouco tempo.
No que se refere à instintividade, sobre este aspecto podemos dizer que:
– o homem é mais «corpo», a mulher é mais «coração»;
– o homem é mais «apaixonado», a mulher é mais «afectiva»;
– o homem tem reacções fisiológicas mais fortes e instantâneas, que não exigem muita preparação; a mulher tem reacções normalmente mais lentas e difusas que exigem preparação.

Estas brevíssimas notas de psicologia masculina e feminina (que não devem ser tomadas como absolutas e universais) dizem, todavia, algumas coisas de grande relevância: quanto é importante que o esposo e a esposa
– se conheçam bem, também a nível psicológico;
– se compreendam, tendo presentes os condicionalismos psicológicos que tem cada um dos dois;
– vivam as diferenças não como competitividade, mas como complementaridade;
– vão ao encontro das necessidades um do outro;
– não interpretem como maldade as reacções do outro, que muitas vezes são derivadas de uma psicologia diversa;
– se ajudem com humildade a crescer no equilíbrio psicológico;
– se respeitem na sua identidade psicológica.