PUB
Orquestra de Guimarães e Samuel Bastos revisitam Mozart e Brahms
Terça-feira, Outubro 13, 2015

A orquestra de Guimarães regressa ao seu lugar de estreia para apresentar obras de Mozart e de Brahms. Samuel Bastos será músico convidado, como solista de oboé. A direcção será do maestro Vítor Matos.

A Orquestra de Guimarães regressa ao Centro Cultural Vila Flor, juntamente com o oboísta Samuel Bastos, sob direcção do maestro Vítor Matos, para interpretar obras de Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) e de Johannes Brahms (1833-1897).

Samuel Bastos, 28 anos, é actualmente oboísta solista na Opernhaus Zürich para a qual foi admitido em 2012. É natural de Barcelos e passou pela Escola Superior de Música Calouste Gulbenkian, entre 1997 e 2005. O seu percurso formativo passou ainda pela Escola Superior de Música de Lisboa.

Foi para Zurique como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, onde concluiu os seus estudos na Zürcher Hochschule der Künste, tendo concluído o Master of Arts in Specialized Music Performance – Solist com distinção máxima. Seguiram-se prémios em concursos internacionais. Samuel Bastos apresenta-se em Guimarães como solista convidado da Orquestra de Guimarães.

A Orquestra de Guimarães surgiu em 2014, tendo-se estreado no Centro Cultural Vila Flor a 25 de Setembro daquele ano, ocupando o espaço deixado em aberto pela Orquestra Estúdio, criada aquando da Capital Europeia da Cultura, em 2012 e entretanto extinta. Vítor Matos é desde a sua criação o seu director artístico e maestro.

No concerto da próxima sexta-feira, marcado para as 22 horas, serão interpretados os Concerto para Oboé e Orquestra, em Dó Maior, de Mozart; e a Sinfonia n.º 2, em Ré Maior Op. 73, de Brahms.

O Concerto para Oboé, composta por três movimentos, é uma das obras para mais consideradas e estudadas para este instrumento. Foi composta pelo compositor austríaco em 1777 e foi posteriormente adaptada para flauta. Na verdade, foi a versão do concerto para flauta que foi conhecida em primeiro, tendo o seu estudo levado ao conhecimento de uma versão para oboé, mais antiga, de onde terá derivado o concerto para flauta.

A Sinfonia n.º 2, de Johannes Brahms, foi composta um século depois do concerto para oboé de Mozart – 1877. A segunda sinfonia de Brahms tem quatro movimentos, respeitando a estrutura clássica da sinfonia. A história conta-nos que o processo de composição desta sinfonia foi muito mais expedito que o da primeira sinfonia, que demorou quinze anos a ser concluída. Feita de contrastes, esta obra foi pelo próprio compositor classificada como das peças mais melancólicas que os seus ouvintes teriam oportunidade de ouvir na vida.

Os bilhetes para a apresentação da Orquestra de Guimarães, no Centro Cultural Vila Flor, estão à venda por 5 euros. Poderão ser adquiridos na bilheteira do Palácio Vila Flor ou através da Bilheteira Online.