PUB
O debate sobre a despenalização do aborto serve para “desviar a atenção do essencial”
Terça-feira, Outubro 31, 2006

Para a JSD vimaranense, o debate sobre o aborto faz parte de uma “estratégia de gestão mediática”, com o objectivo de desviar a atenção sobre as reformas em curso.

O núcleo de Guimarães da Juventude Social-Democrata reprova que o debate sobre a despenalização do aborto, por parte do Governo de José Sócrates, seja feito numa altura de outros debates e reformas mais importantes para o país.

Na opinião da JSD de Guimarães esta será uma “estratégia de mediatismo governativo” que está a ser tomada pelo Governo socialista.

A JSD de Guimarães diz interessar mais ao país que se debatam os “crescentes episódios de conflitualidade social”; o processo da Lei das Finanças Locais – “um violento golpe no normal funcionamento do Poder Autárquico”; e o Orçamento de Estado para o ano de 2007.

A Juventude Social-Democrata considera o debate sobre o aborto uma questão secundária, tendo em conta a importância das reformas em curso. No entanto, reiteram a posição que haviam tomado no anterior referendo, remetendo a decisão para a “consciência individual, tendo em conta a formação pessoal e a estruturação da pirâmide de valores de cada cidadão”.

Texto: Paulo Dumas

COMENTÁRIOS A ESTA NOTÍCIA
___________________________________________

Vamos lá ver se a gente entende os jovens do PSD! O referendo é uma invenção do PSD/Marcelo Rebelo de Sousa e foi inventado para criar dificuldades ao PS/Guterres e para adiar a decisão da Assembleia da República sobre a Interrupção Voluntária da Gravidez, entretanto votada e aprovada. Mais recentemente, o PSD juntou o seu voto ao dos deputados do PS e do BE, a favor do mesmo referendo que a sua organização juvenil reprova? Haja coerência! Porque a questão não é de oportunidade, como alega a JSD, mas sim de mais uma vez tentar que a IVG fique para as calendas gregas, enquanto mulheres são julgadas e condenadas, com alguns fariseus a procurar atribuir aos juízes o incumprimento das leis ou a sua interpretação conveniente, só porque certos políticos não querem exercer o seu dever – o de alterar a lei na Assembleia da República.
Cândido Capela Dias 2006-10-31 13:08h

Bom! A questão da IVG é acima de tudo uma questão de consciência pessoal… Entendo que cada cidadão deve ir entregar o seu voto, por ser um cidadão e não por ter uma preferência partidária… Obviamente que o PCP tem uma posição pública conhecida, porem a JSD não o tem e pela minha parte apenas farei campanha informativa e apelarei a participação!
O Referendo é uma das formas de democracia directa, regulada directamente pelo artigo 115º da nossa Constituição e é, em minha opinião, inadmissível que a participação nos dois referendos anteriores tenha sido tão baixa…
Em relação a IVG apenas tenho a dizer que há pontos que importa diferenciar, ela não é um método contraceptivo, terá que existir uma ampla informação sobre as consequências pós-aborto. Obviamente, que quando tudo falha a solução pode ser essa mas teremos acima de tudo de informar mais e melhor de todos os métodos contraceptivos.
Entendo que o debate não deve ser centrado na questão moral, isto é, deve-se em minha opinião, atender a questão prática, e se em abstracto as pessoas podem ser contra na prática, o aborto pratica-se em Portugal, com mais ou menos condições, já não é preciso ir a Espanha, entendo que deve pesar também na decisão o cortar com interesses corporativistas daqueles que o fazem a troco de dinheiro…
Por tudo isto e enquanto cidadão apelo que se pense, no momento de decidir e se me acontece-se a mim? O que eu faria???
A questão política é para ser posta de lado isto é uma questão social e de bem estar social!!
Acima de tudo isto é que é importante!!!
Saudações taipenses!!!
Carlos Silvério 2006-11-02 16:08h

Na assembleia da Republica estão a maioria dos “ABORTOS” deste país. Não é preciso referendo, só para entreter o Zé povinho, antes era o futebol, novelas e agora temos este assunto. O Zé povinho anda de olhos fechados e não se lembra daquilo que este governo faz, e continuará a fazer, por trás das nossas costas. Estes que lá estão nem são esquerda nem direita, sim chuxalistas…
António Luis 2006-11-02 18:45h

Artigos Relacionados