PUB
Mensagem de Natal
Quinta-feira, Dezembro 17, 2015

Cabe-me escrever o artigo para que simpaticamente fui convidado pelo Reflexo, a escassos dias do Natal.

Não gosto de clichês, mas é inevitável escrever sobre o tema. Não porque tenha que ser mas porque é natural que nesta época os nossos pensamentos se voltem mais para a família, para a amizade, para a solidariedade, para uma nobreza mais apurada de posturas e sentimentos.

E é sobretudo sobre isso que pretendo refletir.

Seria expectável escrever sobre os valores mais em presença nesta época do ano, mas quanto a mim, prefiro escrever sobre a ausência deles no resto do ano. Ou sobre como a apologia de determinados valores nesta época de nada vale se o período restante não for imbuído do mesmo espírito.

A época de Natal não devia ser uma oportunidade para pormos em prática pensamentos e ações mais humanistas, deveria ser uma oportunidade para nos lembrarmos delas, para nos lembrarmos de como deveria ser todo o ano.

De que serve ajudarmos instituições sociais nesta altura se não o fizermos o resto do ano? De que serve estarmos mais preocupados com os mais desfavorecidos nesta época se o não fizermos o resto do ano? De que serve gostarmos de reunir a família nesta altura se nada fizermos para que isso suceda o resto do ano? De que serve sermos imbuídos de sentimentos altruístas, gostarmos de dar presentes, de agradar a alguém, se essa preocupação não se mantiver o resto do ano?

É no fundo esta a minha mensagem. Que espero seja lida apenas como uma reflexão muito pessoal que convosco partilho. Porque me dou a pensar que se nesta altura as pessoas são melhores, estão melhores, se sentem melhor, porque há de ser a exceção e não a regra?

Os meus votos são por isso de que este singelo texto possa servir para despertar alguma reflexão individual. Porque mais do que fazer os habituais votos de um Bom 2016, faço votos de que cada um faça o possível por fazer estender a postura que assume nesta época para o resto do próximo ano.

Penso que esta é a melhor mensagem de Natal que, pelo menos eu, consigo convosco partilhar. E penso ainda que são estes os melhores votos que posso fazer para 2016.

Que atinjamos os nossos objetivos, que prossigamos nos nossos caminhos, que ainda que não os alcancemos não desistamos nunca de perseguir os nossos sonhos, que queiramos fazer bem e que queiramos fazer o bem, porque fazendo o bem, tornamos o Mundo um lugar melhor.

Vereador do PSD na Câmara Municipal de Guimarães