Mas que grande seca!
Segunda-feira, Abril 9, 2012

No site do Instituto de Meteorologia (IM), I.P. (www.snirh.inag.pt), se visitarmos a Área Educativa podemos consultar a definição do conceito de seca e ler “em termos muito gerais seca define-se como um período de persistência anómala de tempo seco de modo a causar problemas na agricultura, na pecuária e/ou no fornecimento de água. A definição de seca depende do ponto de vista do utilizador. Em geral distingue-se entre seca meteorológica, seca agrícola, seca hidrológica e seca socioeconómica”. O IM criou um Observatório para as secas meteorológicas em Portugal Continental, que disponibiliza informação acessível a todos os interessados. Este Observatório efetua a monitorização da evolução das situações de seca meteorológica, dá indicação mensal sobre o grau de severidade e produz uma antevisão da evolução, com cenários baseados em probabilidades de ocorrência de precipitação a médio prazo.

A localização geográfica de Portugal Continental é favorável à ocorrência de episódios de seca, geralmente associados a situações meteorológicas de bloqueio em que o anticiclone subtropical do Atlântico Norte se mantém numa posição que impede que as perturbações da frente polar atinjam a Península Ibérica. As situações de seca são frequentes em Portugal Continental, destacando-se nos últimos 65 anos, os anos de seca com maior severidade: 1944/46, 1965, 1976, 1980/81, 1991/92, 1994/95 e 1998/99.

De acordo com o Índice de Seca Meteorológica PDSI, a 15 de março de 2012, a situação de seca mantém-se em todo o território do Continente nas duas classes de seca mais graves: severa (47% do território) e extrema (53 % do território). Segundo o IM, a quantidade média de precipitação até 15 de março foi de apenas 5,7 mm. A precipitação até esta data, em 2011/2012 é cerca de metade do normal, sendo a situação semelhante a 2004/2005 (última grande seca). A seca hidrológica não é ainda tão gravosa, neste momento, dado que 2010/2011 foi um ano mais chuvoso do que o normal, o que permitiu armazenar grandes quantidades de água nas nossas albufeiras. Porém, a maioria das bacias hidrográficas apresenta valores abaixo da média de 1990/2011.

Segundo dados que constam no site do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (snirh.inag.pt), no dia 28 de fevereiro de 2012, das 57 albufeiras monitorizadas, 16 apresentam disponibilidade hídricas superiores a 80% do volume total e 6 têm disponibilidades inferiores a 40% do volume total. Os valores de armazenamento mais preocupantes são em Arade, no Algarve, com apenas 29% da sua capacidade e Lima, abaixo dos 38%. Neste momento, o abastecimento de água às populações não está em causa, salvo raras exceções.

Quanto a previsões, o IM na sua previsão semanal refere que se esperam valores de precipitação abaixo do normal para toda a região a norte do sistema montanhoso Montejunto-Estrela, na semana de 2 a 8 de abril e temperatura média semanal acima do normal para todo o país. Na previsão sazonal de 1 de Abril a 31 de agosto de 2012 relativamente à precipitação trimestral, não é possível a existência de um sinal estatisticamente significativo, mas no que se refere à temperatura média preveem valores acima do normal para todo o território.

Concluindo, as previsões não são nada animadoras…