PUB
Maioria socialista aprovou o plano e orçamento do município
Quinta-feira, Dezembro 3, 2009

Todos os vereadores da oposição votaram desfavoravelmente as Grandes Opções e Orçamento e o Plano Plurianual de Investimentos da Câmara Municipal de Guimarães.

Foram discutidos, votados e aprovados durante a reunião de vereadores de 3 de Dezembro, dois documentos fundamentais para a gestão município de Guimarães: as Grandes Opções e Orçamento e o Plano Plurianual de Investimentos.

Apenas os vereadores socialistas votaram favoravelmente os documentos que deverão estruturar a gestão dos 163,6 milhões de euros de orçamento da Câmara Municipal de Guimarães.

Os dois documentos são pautados pelo processo de preparação da Capital Europeia da Cultura e da dotação do concelho de vários equipamentos, nomeadamente na área da educação, decorrente da implementação da Carta Educativa.

PSD e CDU votaram contra e ambos reconheceram que as opções do Partido Socialista foram legitimadas nas últimas eleições. No entanto, defenderam que algumas das opções dos respectivos partidos deveriam ter sido incorporadas no plano e orçamento.

Manuel Antunes referiu as questões sociais o emprego como questões centrais que deveriam ter sido consideradas na elaboração da estratégia dos próximos anos e voltou a defender a diminuição das taxas municipais.

O PSD lamentou ainda o facto de estes documentos darem continuidade ao centralismo da Câmara Municipal de Guimarães que “insiste em canalizar a maior parte do investimento para a cidade, esquecendo o restante território, nomeadamente as vilas do concelho”.

Salgado Almeida, por sua vez e em nome da CDU referiu que as opções no PS vertidas no plano e orçamento não espelham as necessidades actuais das famílias, tendo em conta o actual período de dificuldade económica e financeira. O vereador eleito pela CDU criticou ainda as políticas sociais da câmara e classificou também o orçamento como centralizador do investimento na cidade.

António Magalhães, não poupou as palavras e reprovou a postura da oposição e o sentido da votação manifestada pelos dois partidos. Magalhães referiu que “quem chumbou a proposta da câmara, chumbou também o projecto de desenvolvimento do concelho para os próximos anos e votou contra a Capital Europeia da Cultura”.

Na reunião foi ainda aprovada por unanimidade a proposta da obra pública de reconversão da EB1 do Pinheiral, em Caldelas, em Centro Escolar.

Texto: Paulo Dumas

Artigos Relacionados