Magusto do PSD com organização do território como tema dominante
Terça-feira, Novembro 8, 2011

O PSD de Guimarães reuniu simpatizantes e militantes num Magusto realizado no passado domingo, 6 de Novembro, no Parque de Lazer de Santo Estêvão de Briteiros.

O objectivo da iniciativa, que se vem repetindo ao longo dos últimos anos, foi o de marcar a reentré política outonal dos social-democratas vimaranenses. O tema dominante da iniciativa foi organização do território, prevista nas medidas a implementar pelo Governo e fruto do acordo assinado com a troika.

Na presença de um considerável número de militantes e simpatizantes, o Presidente da Comissão Política laranja, André Coelho Lima, não deixou escapar a oportunidade para dar conta daquilo que designou de “lamentável demagogia” referindo-se a afirmações proferidas por António Magalhães, Presidente da Câmara Municipal de Guimarães, numa iniciativa socialista realizada em Souto Santa Maria e que, segundo o líder laranja, terá acusado o PSD de ser o responsável pela extinção de freguesias.

André Coelho Lima lembrou os presentes que “foi precisamente o governo PS quem negociou com a troika a redução num mínimo de 50% do número de freguesias existente, obrigando a que o Governo que se lhe seguiu tivesse que implementar a respectiva reforma”.

No momento, esclareceu ainda para a necessidade de “desmistificar esta questão, pois que as freguesias não deixarão de existir. As mesmas 69 freguesias do concelho de Guimarães continuarão a existir, a única coisa que se vai agregar ou fundir são as Juntas de Freguesia, são os órgãos políticos, que com esta alteração ganharão escala, ganharão mais competências, ganharão autonomia financeira e política para poderem executar os seus planos, sem estarem tão dependentes da Câmara Municipal”.

Deu ainda conta de que a abordagem que o PSD vimaranense “fará desta questão será atendendo apenas aos interesses de Guimarães e das suas populações. Será favorecendo um desenho administrativo do concelho que tenha em atenção os centros urbanos com atractividade natural, os fluxos populacionais e as tradições culturais das populações, pelo nunca permitiremos soluções que visem criar um desenho com o objectivo de favorecer interesses político-partidários, pois para nós, Guimarães estará sempre acima de qualquer interesse mesquinho ou comezinho”.