PUB
JSD Guimarães considera ligação ao Avepark fundamental para o futuro do concelho.
Sexta-feira, Setembro 19, 2014

A solução viária para ligar Guimarães ao Avepark continua a despoletar sucessivas tomadas de posição por parte das diferentes estruturas partidárias. Desta feita é a JSD de Guimarães a pronunciar-se sobre o assunto.

Os jovens social-democratas consideram que o PS local está a tentar iludir os vimaranenses ao defender uma proposta de ligação ao Avepark que, entre outros, “custa 30 milhões de euros” e “não serve as vilas de Ponte ou das Taipas, muito menos as freguesias circundantes” em detrimento da solução apresentada pela Coligação Juntos por Guimarães (CJG), “de dimensão mais reduzida”, com um investimento três vezes menor (8,5 milhões euros) que a opção do PS e que “resolve o problema da população do Norte do concelho”.

A juventude partidária do PSD comenta ainda os argumentos lançados pelo PS para acusar a CJG de estar a inquinar a sua proposta, como a necessidade de “expropriações e demolições”, o atravessamento de “zonas agrícolas e ecológicas” e da impossibilidade da CMG intervir numa estrada (EN101). É nesta argumentação que a JSD de Guimarães considera estar o essencial daquilo a que chamam de “Processo de Estupidificação em Curso com que o PS pretende iludir os Vimaranenses”.

Relativamente à questão das expropriações e demolições, consideram que ambas as propostas terão essa necessidade. “Acontece que as expropriações que o projeto da CJG implicará serão incomparavelmente menores do que as da proposta do PS” e “a quase totalidade do trajeto situa-se em espaços já cedidos ao domínio público”, referem em comunicado.

No capítulo ambiental, acusam o PS de fazer tábua rasa “no crime ambiental que a proposta da Câmara é, por ser construída, na sua maioria, em zonas agrícolas ou florestais.” Dizem a propósito que “a proposta do PS rasga a meio com áreas agrícolas consolidadas e com explorações existentes, causando um impacto significativo para a agricultura daquela região” e que ficarão “irremediavelmente perdidas”.

O PS de Guimarães é acusado de tomar os vimaranenses por “parvos” ao usar o argumento da impossibilidade da Câmara poder intervir na EN101 dando exemplos de recentes intervenções municipais precisamente na EN101, EN206 (repavimentação em Brito) e da desafetação do troço da EN206 que liga o Espaço Guimarães à rotunda da auto-estrada, para alargamento da via para 4 faixas, precisamente o mesmo que a CJG propõe para a EN101. Consideram, pois, que o PS utiliza “desavergonhadamente” este “falso argumento” com intenção de “enganar os vimaranenses”.

Os jovens social-democratas referem que “sempre que a Câmara quis, a Câmara soube entender-se com a Estradas de Portugal para proceder às intervenções que entendeu. O PS local, por mero interesse partidário, faz tábua rasa de tudo isto, recorrendo a falácias para defender a sua proposta. Pelo meio, insulta a inteligência dos Vimaranenses, pretendendo enganá-los quanto às propostas em discussão”.

A terminar, ressalvam a “possibilidade de encontrar uma solução que sirva efectivamente as populações, que contribua para a coesão territorial e para dar mais oportunidades aos Vimaranenses e ao seu futuro. A bem de Guimarães, a bem dos Vimaranenses, saibamos todos ter uma discussão séria e substantiva sobre as propostas em cima da mesa. A bem de Guimarães, a bem dos Vimaranenses, saibamos todos informá-los sobre as virtudes e defeitos das propostas de cada um, dos seus custos e benefícios. A bem de Guimarães, a bem dos Vimaranenses, saiba quem de direito decidir, escutando a população, escutando os agentes envolvidos”.

Artigos Relacionados