Investigadores do 3B’s fazem parte de equipa que ensaiou produção de vasos sanguíneos
Quinta-feira, Novembro 12, 2015

Proteínas modificadas, capazes de se auto-organizar, geram uma membrana capaz de aderir e vedar superfícies em longos períodos de tempo. Trabalho de investigação do grupo de investigação 3B’s publicado em revista científica.

Uma equipa de investigadores, da qual faz parte o Grupo 3B’s, laboratório de investigação da Universidade do Minho, acredita ter encontrado um mecanismo de produção vasos sanguíneos a partir de uma família de proteínas modificadas.

O trabalho de investigação foi alvo de uma publicação científica na revista Nature Chemistry – uma publicação subsidiária da Nature e igualmente conceituada. Da equipa, além da Universidade do Minho fazem parte cientistas de universidades de Espanha, Reino Unido e Israel.

Uma equipa liderada pelo professor Rui L. Reis explica que os resultados foram conseguidos após ter sido criado um “minilaboratório biológico”, no qual proteínas modificadas interagem e se organizam, por si.

Desta forma, os investigadores acreditam que será possível “gerar estruturas bioactivas complexas” como uma membrana capaz de vedar superfícies em longos períodos de tempo. Ou seja, pequenos órgãos e tecidos, como veias e artérias.

Este resultado é tido como um grande avanço na área da medicina regenerativa. A tecnologia poderá abrir um leque de novas possibilidades e difere de outros processos por ser baseado no sistema de péptidos (as tais pequenas proteínas) e nas interacções moleculares.

Estes resultados poderão ter impactos na criação de tecidos em laboratório para poderem ser implantados, além de contribuir para o desenvolvimento de fármacos e para o estudo de várias doenças como o Alzheimer.

O artigo é técnico e está escrito em inglês,
mas está disponível para consulta aqui.

Foto DR