PUB
Eleições adiadas no Taipas e contas aprovadas com Voto de Louvor
Sexta-feira, Julho 1, 2011

Da reunião realizada ontem no Salão Nobre dos Bombeiros taipenses não resultou qualquer solução directiva para a gestão do Clube Caçadores das Taipas.

Fernando Oliveira, depois dos sinais que vinha transmitindo nos últimos tempos, voltou a reforçar a sua posição perante os associados de que continua disponível para dar continuidade ao trabalho desenvolvido pela anterior Comissão Directiva na condição de que esse grupo de trabalho consiga reunir mais apoios. Ou seja, sem mais gente para integrar a nova Direcção, Fernando Oliveira não avançará com uma lista candidata.

Nesse sentido, e para que os associados possam reflectir sobre o assunto, o Presidente da Assembleia Geral já agendou para o próximo dia 8 de Julho, sexta-feira, nova reunião para a realização de eleições.

Em todo o caso, a assembleia de ontem serviu para apresentar, discutir e aprovar o Relatório de Actividade e Contas referentes à época 2010-2011.

Fernando Oliveira, em traços gerais, considerou que o caminho percorrido foi satisfatório o que deixa a Comissão Directiva “de consciência tranquila pelo dever cumprido”, convencidos de que não defraudaram as expectativas criadas.

De seguida passou à apresentação das contas. O relatório do exercício (1 de Junho de 2010 a 31 de Maio de 2011) reflete um saldo negativo de pouco mais de quatro mil euros. No entanto, o documento foi apresentado com um anexo que, pode dizer-se, parece ser um documento virtual, onde constam receitas e despesas que ainda não estão realizadas mas que resultam de compromissos devidamente assumidos. E isto é válido para as receitas (62.700 euros) e despesas (66.732 euros).

A título de exemplo, o Taipas é “credor” da Câmara Municipal de Guimarães em 10 mil euros, da Junta de Freguesia de Caldelas de 4.100 euros, de patrocínios que venceram em 30 de Junho de 2011 de 8.200 euros e do Penafiel e Hull City do total de 9.900 euros, entre outros. No plano das despesas ainda por realizar, as mais significativas são os subsídios a atletas (27.075 euros) e treinadores (5.500 euros), os custos com pessoal (4.500 euros) e à Lacatoni (12.250 euros).

No que às receitas e despesas efectivamente realizadas diz respeito foram, no exercício em causa, de 104.516,55 euros.

Submetidos à votação dos associados, depois de lido o parecer favorável do Conselho Fiscal que acabou até por propor um Voto de Louvor à Comissão Directiva “pelo excelente trabalho realizado”, todos os documento foram aprovados por maioria, tendo-se verificado duas abstenções.