PUB
Dois eventos, duas personagens, a mesma atitude
Quinta-feira, Outubro 30, 2008

O AVE PARK terá como principal objectivo contribuir para a necessária e urgente reconversão industrial na região do Ave e em particular no nosso Concelho.

Embora situado na freguesia de Barco terá que se integrar num pólo urbano, que inevitavelmente será centrado na Vila das Taipas, se mais não fosse, pela sua proximidade.

A interacção dos futuros quadros do AVE PARK com a Vila das Taipas, mas também um novo planeamento urbanístico, considerando o impacto desta nova infraestrutura no tecido urbano de proximidade, tenderá a reforçar uma nova centralidade na Zona Norte do Concelho.

Esta centralidade, complementar à cidade de Guimarães, deverá ter como principais vectores, o rio Ave, um parque de lazer nas suas duas margens aproximando a Vila de Ponte da Vila das Taipas, a actividade termal e o próprio AVE PARK.

A Vila das Taipas pelas suas características fortemente urbanas estará no centro destas futuras e necessárias transformações.

É por esta razão que não compreendo que o Sr Administrador do AVEPARK, simultaneamente presidente da mesa da Assembleia Municipal e ex Presidente da Junta de freguesia das Taipas, não tenha endereçado um convite ao actual Presidente da Junta de freguesia para a cerimónia de inauguração do AVE PARK.

Nos últimos dois anos a concentração Motard, organizada pelo Motor Clube de Guimarães, foi realizada na Vila das Taipas apesar da oposição devidamente justificada da Junta de Freguesia.

No ano passado, em reunião de Câmara, considerei ser no mínimo falta de elegância protocolar a Câmara não ter tido em consideração as sucessivas posições da Junta de Freguesia das Taipas.

Pela intervenção do Sr Presidente da Câmara transpareceu, nessa mesma reunião, uma vontade de no futuro ser considerada a realização da concentração noutros locais, ou no mínimo, no mesmo local mas em concertação com as opiniões da Junta de Freguesia.

Não foi o que aconteceu. Este ano, sem a desejável concertação com a Junta de Freguesia e sequer uma comunicação protocolar, a concentração foi licenciada novamente na Vila das Taipas.

Se até aqui considerei ser apenas uma falta de elegância da Câmara para com a Junta de Freguesia, considero agora ser uma falta de respeito pela Junta de Freguesia, pelo seu Presidente e em última análise pelos eleitores da Vila das Taipas.

O Sr Presidente da Câmara tem vindo a justificar esta sua atitude prepotente com argumentos baseados em questões de mau relacionamento pessoal entre si e o Sr Presidente da Junta de Freguesia. Aliás costuma dar como contraponto argumentativo as excelentes relações com outros Presidentes de Juntas da oposição, nomeadamente de Juntas do PSD.

Gostaria de contrariar aqui e agora esta argumentação.

Em primeiro lugar as relações entre órgãos políticos eleitos devem ser do tipo institucional e nunca no campo pessoal.

Em segundo lugar as questões de relacionamento do Sr Presidente da Câmara com o Sr Presidente da Junta de Freguesia das Taipas não são, nem nunca foram, pessoais mas sim políticas como passarei a demonstrar:

As Juntas de freguesia que o PS perdeu para a oposição no último acto eleitoral, mas onde a votação para a Câmara foi favorável ao seu candidato, são as mesmas que servem de exemplo ao excelente relacionamento entre o Sr Presidente da Câmara e os respectivos Presidentes de junta.

É nas Juntas de freguesia que o PS perdeu para a oposição mas também para a lista da Câmara Municipal que as relações pessoais se tornaram crispadas.

O Dr António Magalhães não suporta, nestes casos, aquilo que considera ter sido uma derrota pessoal.

Daí a prepotência no relacionamento bem como a descriminação no investimento.

Sr Dr António Magalhães: a população do nosso Concelho não é cega e muito menos a população da Vila das Taipas, como já o demonstrou e voltará a demonstrar.

26