PUB
Disponibilidade, sempre
Sexta-feira, Junho 8, 2012

Concerteza que conhecem ou experimentam casos semelhantes aos que relatamos já de seguida.

Marta está cansada e tem quatro filhos. Os seus pais, já idosos, vivem com ela. Não lhe falta trabalho, mas encontra sempre tempo para ajudar a senhora Adelaide, uma idosa que mal se pode mover e vive no mesmo prédio. Uma questão de disponibilidade.

Marcos tem 16 anos e é um bom rapaz. Vive com a sua mãe, viúva, e dois irmãos mais novos. Tem bolsa de estudos, estuda electrónica e as coisas correm-lhe bem. A sua mãe é mulher de limpeza várias horas ao dia, para poder alimentar e educar os filhos. Quando Marcos chega à uma da tarde, aquece a comida que a sua mãe lhe deixou preparada. Põe a mesa e come com os seus irmãos. Limpa depois a mesa e acompanha a mãe enquanto esta come. Sente-se contente. Uma questão de disponibilidade.

Sónia estuda Biologia. Aos fins-de-semana, sempre que possível, vai para uma residência de idosos a fim de os ajudar. Para fazer o que for preciso, diz ela. É o seu segundo ano de voluntária. João e Manuela esperam por ela com ansiedade cada sábado, porque lhes explica coisas e lhes oferece momentos de alegria. De facto, Sónia tem um sorriso que contagia com facilidade e encanta a todos os que vivem na residência. Uma questão de disponibilidade.

Como podemos definir este valor da disponibilidade? Os dicionários dizem mais ou menos o seguinte: “Disponibilidade é uma disposição habitual para se pôr espontaneamente ao serviço de quem esteja necessitado”.

Desta definição se pode depreender que só podemos considerar “disponíveis” aquelas pessoas que “habitualmente” estão dispostas a ajudar, e não aquelas que o fazem uma vez ao ano… E também aquelas que estão ao serviço dos outros espontaneamente, quer dizer, sem pensar demasiado, mas com toda a naturalidade. Inclusivamente com alegria, convencidos que há mais alegria em dar do que em receber.

Trata-se de ajudar a quem tem necessidade, e não apenas a alguns. Importa ajudar quer os que consideramos simpáticos, quer os que nos parecem antipáticos, os ricos e os pobres, os membros da nossa família e os que não o são, os brancos e os negros, os que são crentes e os que não têm religião. Trata-se de estar disponíveis para todos.

Esta disponibilidade ou espírito de serviço exige esforço.

Diz-se que estamos na civilização do “light”, que significa aquilo que é leve, suave, subtil, fácil, frívolo, superficial…

Depois da Coca-Cola light (sem coca, sem cola, sem nada…) chegou-nos a invasão de alimentos e bebidas light, que não engordam, que não prejudicam nem fisiológica nem esteticamente.

Façamos um paralelismo com a maneira de viver das pessoas de hoje. Muita gente desejaria uma ética light, isto é, uma moral suave, leve, fácil. Uma ética que não exija renunciar ao comodismo, ao individualismo, ao egoísmo.
Naturalmente, os que cedem a uma tal moral não podem ser pessoas disponíveis, pois a disponibilidade exige esforço, sacrifício, força de vontade. Quem quer optar no seu projecto de vida pelo valor da disponibilidade, deverá remar contra a corrente, dizendo não ao egoísmo e sim ao amor.

Portanto, estar disponível é, de facto, dizer não ao egoísmo. Esse egoísmo descarado que nos impele a buscar apenas o que nos agrada, o que nos apetece, o que nos dá um prazer imediato.

Caros amigos e caros jovens, convenhamos que, na construção da nossa personalidade, tem um lugar fundamental esta atitude de dizermos não ao egoísmo e sim ao amor. De facto, a maturidade de uma pessoa mede-se, essencialmente, pela sua capacidade de amar e servir os outros.

Fomos criados como seres em relação. Daí que só nos realizamos quando concretizamos, com gestos e atitudes concretas, este viver em relação, vivendo numa atitude permanente de serviço fraterno. Assentar o edifício da nossa personalidade no egoísmo é como construir uma casa sobre a areia e não sobre a rocha. Quando vierem os ventos e as tempestades, será grande a sua ruína.

Nesta altura de fim de Ano Escolar e de Exames, desejo a cada e a todos os estudantes muita disponibilidade, ou seja, muita dedicação, muita aplicação, muita coragem e muito amor para o seu esforço de fim de ano. Se o fizerem com amor será muito mais fácil poderem vir a sentir o gosto do bom sucesso e um passo importante para a realização do seu projecto de vida. Felicidades e boa sorte.

26