PUB
Detenção por crimes de fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais
Sexta-feira, Junho 1, 2007

A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Braga, deteve esta semana, na zona de Felgueiras, um empresário de 36 anos de idade, do ramo da construção civil, em virtude do mesmo se encontrar fortemente indiciado pelo presumível cometimento de crimes de fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais. O detido, através da […]

A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Braga, deteve esta semana, na zona de Felgueiras, um empresário de 36 anos de idade, do ramo da construção civil, em virtude do mesmo se encontrar fortemente indiciado pelo presumível cometimento de crimes de fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais.

O detido, através da utilização de diversas empresas constituídas para o efeito, em Portugal e Espanha, dedicava-se, pelo menos desde o ano de 1999, à prática reiterada de emissão e contabilização de facturas que não correspondiam a transacções comerciais ou à prestação efectiva de qualquer serviço, o que provocou prejuízos avultados para o Estado, obtendo, deste modo, enormes vantagens patrimoniais.

A detenção ocorreu no âmbito de uma operação mais vasta, que se prolongou por vários dias desta semana, tendo sido realizadas diversas buscas domiciliárias e não domiciliárias, em algumas comarcas do norte do País. Para estas buscas foram criadas equipas mistas, tendo a Polícia Judiciária contado com a prestimosa colaboração de vários Inspectores Tributários da Direcção de Finanças do Porto.

No decurso da operação policial foi apreendida grande quantidade de documentos relativos à actividade de várias empresas, uma viatura topo de gama e uma quantia significativa em dinheiro.

Foram já constituídos mais 6 arguidos, prosseguindo as investigações com vista à identificação de outros indivíduos implicados na actividade criminosa.

O valor do prejuízo que, desta actividade delituosa, resultou para o Estado, ainda não foi totalmente apurado, sendo conhecida, até ao momento, facturação fraudulentamente emitida de valor superior a 10 milhões de euros.

O detido foi presente à autoridade judiciária competente, para primeiro interrogatório e aplicação de medidas de coacção, sendo-lhe aplicada a obrigação de apresentações bissemanais e a prestação de caução no valor de 75.000 euros.

Artigos Relacionados