PUB
Curto e grosso
Segunda-feira, Novembro 10, 2014

Uma rua central que dê uma imagem positiva a quem nos visita, mas também e sobretudo uma rua central de que a população usufrua e de que goste.

Na última sessão da assembleia municipal de Guimarães, a CDU confrontou o presidente da Câmara com a possibilidade real do arranjo em curso ficar para a história como um caso de desperdício de dinheiro público e de demonstração da incapacidade de dar ao arruamento um perfil e uma obra de qualidade que orgulhe as Taipas.

Relativamente ao desperdício de dinheiro público, o que se está a fazer não é diferente do que a câmara costuma fazer em casos similares. As intervenções no piso das ruas costuma ser colocar camadas de material em cima de camadas de material, intervindo pouco ou nada na estrutura, nas fundações, na rede de águas sanitárias e na rede de abastecimento público, o que representa um desperdício económico, porque mais cedo do que tarde as ruas voltam a exibir as maleitas antigas que as obras novas só mascaram. No caso das obras da Rua Comandante Carvalho do Crato acontece que há trechos em que os passeios já subsumiram e a nova camada vai piorar o que já era péssimo, sobretudo em dias de temporal, de muita chuva, com a água a invadir as habitações.

Mas as obras vão ser uma frustração para os taipenses porque vai permanecer intocável o pedaço de muro que invade a rua, quando na tal sessão da assembleia municipal o presidente garantiu à CDU e aos deputados todos que o muro seria objecto de corte, deixando o passeio público assumir o lugar que lhe compete. Ou seja, as pessoas vão continuar a ter de enfrentar os automobilistas, pondo em risco a sua integridade física. Simplesmente deplorável, sr. Presidente.

26