PUB
Consulta pré-concecional – O início de uma vida saudável
Segunda-feira, Janeiro 9, 2012

O que se deve fazer?

É de extrema importância a realização de uma Consulta de Pré-Conceção, a qual tem como objetivo identificar e modificar os riscos médicos, comportamentais e sociais que possam alterar a normal evolução de uma futura gestação. Vários estudos científicos demonstram claramente que esta consulta melhora o prognóstico da gravidez e os índices de morbilidade e mortalidade materna e infantil. Digamos que é uma forma de antecipar eventuais problemas e garantir uma gravidez saudável.

Nesta consulta são questionados os antecedentes da futura mãe, como doenças, cirurgias ou gravidezes anteriores, bem como doenças existentes na família materna e paterna.

À futura mãe deve ser pedido um check-up de análises de sangue e urina para confirmar uma boa função geral dos vários órgãos, avaliar o estado de imunidade ou infeção de várias doenças importantes na gravidez, como a rubéola, a toxoplasmose, a sífilis, HIV e hepatite B, e conhecer o grupo de sangue. Deve também ser efetuado o rastreio do cancro do colo do útero, através do teste de Papanicolau. Deve ser prescrito suplementos de ácido fólico para iniciar mesmo antes de engravidar, pois os estudos comprovam que assim diminui-se a incidência de defeitos do tubo neural no feto. É importante verificar se esta tem as vacinas em dia, em caso de não ter é uma boa oportunidade para atualizar o boletim individual de saúde da mulher.

Nesta consulta são ainda reforçados cuidados gerais que a futura mãe deve ter, para seu bem e consequentemente do seu bebé, tais como: ter uma alimentação saudável e equilibrada, não cometendo excessos com alguns alimentos ou substâncias (por exemplo, a cafeína); atingir um peso ideal antes de engravidar; realizar exercício físico adequado; evitar o consumo de tabaco, álcool, e drogas, os quais podem ser gravemente prejudiciais para a saúde do bebé, podendo mesmo deixar sequelas irreversíveis na criança; não se auto-medicar (muitos medicamentos não podem ser tomados por uma grávida devido aos malefícios que provocam no feto);

Os futuros pais poderão ainda colocar todas as suas dúvidas, incluindo informações incorretas que lhe tenham sido transmitidas.

Apesar de atualmente ser reconhecida internacionalmente a importância destes cuidados, a sua implementação não tem sido bem sucedida. Continuam a ocorrer gravidezes não planeadas que resultam numa má vigilância pré-natal e à manutenção dos comportamentos de risco. O período de maior sensibilidade ambiental para o feto, situa-se entre os 17 e os 56 dias após a fecundação, período em que começa a organogénese (isto é, a fase em que se formam os órgãos) antes mesmo de muitas mulheres reconhecerem que estão grávidas ou tenham a oportunidade de iniciar os cuidados pré-natais, tendo por vezes já exposto o feto aos riscos potenciais de substâncias de abuso, medicamentos ou consequências de doenças maternas mal controladas.

Em 2010, realizou-se na USF de Ronfe um questionário sobre a consulta de pré- -conceção. Das 123 mulheres questionadas, somente 69,1% afirmaram que tiveram esta consulta antes de engravidar. Cerca de 38 mulheres não realizaram esta consulta, 22 porque tiveram uma gravidez não planeada, 8 porque não a acharam importante, 4 descobriram que estavam gravidas antes do dia da consulta e 2 referiram desconhecer este tipo de consulta.

Apesar de parte da população conhecer e estar sensibilizada para esta consulta ainda existem mulheres que não o estão. Assim sendo, é fundamental a divulgação desta consulta e sua importância, e a motivação de todas as mulheres em idade fértil a realizarem esta consulta antes de darem o passo de tentarem engravidar. É vital a intervenção sistemática e programada nesta fase do ciclo de vida, promover a saúde no período pré-concecional é uma forma de contribuir para o sucesso da gravidez, uma vez que muitos dos fatores que condicionam negativamente o futuro de uma gestação podem ser detetados, modificados ou eliminados, antes que a mulher engravide.

Seja consciente, quando tomar a decisão de querer engravidar, marque uma consulta com o seu Médico de Família.

Proteja a sua saúde e a do seu futuro bebé!