PUB
Coligação JpG apresenta “estudo de alternativas” para a ligação ao Avepark
Terça-feira, Março 24, 2015

André Coelho Lima e Monteiro de Castro apresentaram três alternativas à proposta da Câmara Municipal de Guimarães. A coligação defende que a discussão desta matéria é fundamental para Guimarães.

André Coelho Lima, perante a importância desta ligação viária para o futuro do concelho, foi reforçando a ideia de que o debate não poderá ficar pela defesa do projeto da Câmara e da oposição: “Existem diversas alternativas e nesta questão demasiadamente importante, deve ser escolhida a que melhor servirá o interesse de Guimarães”. Acrescentou ainda que a discussão não deverá ficar polarizada entre os projetos apresentados pela oposição e pela Câmara.

A coligação, nas três propostas referenciadas num estudo da autoria do engenheiro civil Manuel Maria Sarmento, parte sempre do pressuposto da necessidade de se avançar com a requalificação da nacional 101, “independentemente de eventuais apoios comunitários”, pois trata-se de “um investimento estratégico para o concelho e que contribuirá para uma maior forte coesão territorial”, como acrescentou André Coelho Lima. Para o líder social-democrata vimaranense, a nova via tem de ser enquadrada num “plano estratégico” para o noroeste do concelho e não se pode limitar a pensar no que “é melhor para o Avepark”, pois as pessoas “devem estar em primeiro lugar”.

Monteiro de Castro fez questão de salientar que as propostas apresentadas pela coligação são todas elas menos onerosas do que a “via dedicada” avançada pela Câmara Municipal de Guimarães.

Um dado curioso avançado é que dessas três propostas não existe unanimidade quanto à melhor opção a ser considerada pelos elementos da coligação Juntos por Guimarães. André Coelho Lima referiu-se a este facto como sendo mais um indicador que este é um assunto que deverá ser discutido sem reservas, esperando, por isso mesmo, que a sessão pública marcada para amanhã (dia 25) no centro pastoral de Caldas das Taipas, não se limite à apresentação da proposta da Câmara Municipal. “Demos conhecimento deste “estudo de alternativas” ao senhor presidente da Câmara e esperamos que mereça a devida atenção na sessão a realizar em Caldas das Taipas”, acrescentou o líder da coligação.

No estudo já referenciado, será de acrescentar que o seu autor, Manuel Maria Sarmento, acaba por defender como melhor solução a “alternativa 2”. Esta tem início na proximidade da rotunda situada na confluência da EN 310 com a rua Nossa Senhora de Fátima (Caldas das Taipas) e faria a ligação à EN 101 já a sul da vila termal, na zona conhecida como rua S. João Baptista (em frente a um estradão ou caminho em terra que segue em direção à igreja de Ponte, onde poderá surgir a avenida Tojais-Igreja). Este novo traçado teria cerca 3,4 km de extensão. Segundo o mesmo autor, esta alternativa permitiria um melhor escoamento do trânsito vindo das freguesias de Corvite, Sto. Tirso e Sta. Eufémia de Prazins; teria uma forte ligação com a rede viária local, reduzindo assim o número de ligações/desnivelamentos; permite uma ligação privilegiada a Ponte e funcionaria como uma variante à vila de Caldas das Taipas desde que associada à requalificação e reperfilamento da nacional 101