PUB
Coligação “Juntos por Guimarães” quer atrair investimento para combater o desemprego
Segunda-feira, Setembro 9, 2013

Tornar o concelho de Guimarães o terceiro mais importante do norte de Portugal, logo a seguir a Gaia e ao Porto, é o compromisso de André Coelho Lima

A festa da coligação “Juntos por Guimarães” realizada no parque da Ínsua, em Ponte, no segundo domingo de Setembro, ficou marcada pelo optimismo que perpassa na coligação face às eleições autárquicas. O tom foi o de que “já se sente o cheiro da mudança” e o discurso de André Coelho Lima foi sendo interrompido pelo slogan “Guimarães está presente, André a presidente”.
Após breves intervenções de Sérgio Castro Rocha, candidato da coligação à Junta de Freguesia de Ponte e de Nuno Vieira e Brito, candidato à Assembleia Municipal, foi André Coelho Lima quem centralizou as atenções.

O candidato à Câmara Municipal respondeu às críticas que lhe foram direccionadas no mesmo espaço, na semana anterior, aquando da festa do PS.
Nessa festa, António Magalhães acusou a coligação “Juntos por Guimarães” de parasitar o slogan socialista. André Coelho Lima questionou se António Magalhães se estaria a referir ao slogan “Guimarães não pára”, que é da CED 2013, que é de todos os vimaranenses, de todo o concelho e não do PS.
Coelho Lima elencou de seguida um conjunto de medidas sugeridas pelo PSD em tempos e das quais a Câmara se terá apropriado, “o que chamaria o doutor Magalhães a quem nunca se lembrou do Orçamento Participativo e depois de nós termos apresentado a ideia a veio apresentar aos vimaranenses. O que é que chamaria a quem recusou implementar um tarifário social na Vimágua e um tarifário para famílias numerosas e depois de nós o propormos, veio, passados oito meses, implementar essa medida. O que chamaria o Dr. Magalhães a quem votou contra a entrega da escola do Bairro de Pevidém à Sociedade Musical em 2010 e, agora, às portas das eleições, veio propor aquilo que já tínhamos feito nesse ano. O que é que chamaria a quem, passados tantos anos, pretende avançar com uma via rápida entre Guimarães e Taipas, quando nós a defendemos há mais de 10 anos e ninguém nos deu ouvidos e que agora passa a prioridade. Se há partido em Guimarães que não pode acusar ninguém de parasitismo político esse partido é o PS, que todos os dias dá exemplos de esgotamento, de falta de ideias e de cavalgar as propostas apresentadas pelos outros como se fossem suas”.

Acusou ainda a candidatura socialista de estar mais preocupada com títulos do que com a realidade e que o PS se preocupa somente com as “aparências” e não em “trabalhar no que interessa às pessoas”. Deu o exemplo do lançamento da candidatura de Guimarães a Capital Verde, “Será que é mesmo verdade que a equipa que quer apresentar essa candidatura é a mesma que para poupar energia em vez de implementar um plano de poupança energética apaga as luzes das nossas freguesias? Em vez de procurar títulos por que é que não se preocupa com coisas reais, como despoluir os nossos rios e requalificar as suas margens?”.

André Coelho Lima avançou com as principais áreas de intervenção onde pretende actuar sendo o próximo presidente da Câmara Municipal de Guimarães, destacando-se o combate ao desemprego e a falta de competitividade de Guimarães face aos concelhos vizinhos, “Temos um projecto para tornar Guimarães o terceiro concelho mais importante do norte de Portugal, a seguir a Gaia e Porto, vamos criar condições para termos um concelho com 200 mil habitantes num prazo de dez anos. Para isso, temos de ser capazes de atrair emprego e, nesse sentido, comprometo-me a transformar Guimarães no concelho mais criador de emprego em Portugal no próximo mandato. Comprometo-me a atrair para o nosso concelho duas multinacionais por ano, num valor de 200 milhões de euros de investimentos privados captados pela Câmara Municipal, com os incentivos fiscais que vamos criar durante o mandato.
Quando digo que as pessoas estão em primeiro lugar, não ficará apenas como slogan. Vamos criar um pacote de benefícios fiscais às empresas que criem postos de trabalho. Na área social vamos isentar os equipamentos sociais que servem as populações de pagamentos à Câmara Municipal. Vamos reforçar a coesão territorial, com a criação de sete postos avançados da Câmara nas freguesias com maiores centralidades. Temos de colocar Guimarães no topo, não das medalhas, mas da qualidade de vida e da produção de riqueza que é o que faz falta no nosso concelho”.

Coelho Lima afirmou ainda que sente orgulho em liderar a coligação “juntos por Guimarães”, uma “lista com uma nova aragem, novas mentalidades e sem vícios, aquilo de que Guimarães precisa”.

Artigos Relacionados