PUB
Centenário de Virgínia de Moura em exposição
Segunda-feira, Julho 20, 2015

A Biblioteca Municipal Raul Brandão, em Guimarães, acolhe até ao final do mês de julho uma exposição que assinala o centenário da vimaranense Virgínia de Moura, nascida a 19 de julho de 1915, conhecida pela sua resistência política ao Estado Novo e por ter sido a primeira engenheira civil que se formou em Portugal.

Virgínia de Moura fez ativamente parte do MUNAF, MUD, MND, Juntas Patrióticas, CDE, integrando sempre os movimentos de candidatura de Norton de Matos e do General Humberto Delgado. «Em tudo que traduz Abril, ao menor esforço sinto o braço amigo do companheiro da minha vida e o revolucionário sempre confiante no nosso 25 de Abril – o camarada Lobão Vital. A minha mãe foi a Mulher que serenamente nos acompanhou e esperou, sem duvidar, que o Mundo com que também sonhou na sua juventude, estava próximo», lê-se no livro “Mulher de Abril: Álbum de memórias”.

Natural de São Martinho do Conde era filha de mãe solteira, uma professora primária que enfrentou situações de injustiça, incluindo da família, pelo facto de ter sido mãe sem estar casada. Aos 10 anos, entrou no Liceu, em Guimarães, apesar das dificuldades económicas da mãe. No Porto, conheceu António Lobão Vital, o seu companheiro, a quem se dedicou toda a vida, tendo contraído matrimónio em setembro de 1935.

Artigos Relacionados

Centenário da Igreja Matriz de Caldelas
Segunda-feira, Abril 13, 2015

D. Jorge Ortiga, Arcebispo Primaz de Braga, presidiu à celebração da eucaristia evocativa do centenário da Igreja Matriz da Paróquia de S. Tomé de Caldelas.

A vila das Taipas celebrou no passado sábado, 11 de abril, a passagem dos 100 anos da sua Igreja Matriz. Mandada erigir pelo Conde de Agrolongo, a Igreja Matriz de Caldelas foi inaugurada, em 11 de abril de 1915, pelo Arcebispo Primaz de Braga, D. Manuel Vieira de Mattos.

A celebração evocativa do seu centenário foi presidida por D. Jorge Ortiga que, com o pároco da freguesia, José Agostinho Ribeiro, contou ainda com a presença dos padres José Machado, Rubens Marques, Luís Martinho e Luís Miguel Rodrigues. Quem também marcou presença foi Domingos Bragança, presidente do município vimaranense, que se fez acompanhar pelo vereador Ricardo Costa. Constantino Veiga, presidente da Junta de Freguesia de Caldelas e Jorge Ribeiro, em representação da Assembleia de Freguesia local, também acompanharam as cerimónias. Os bombeiros taipenses estiveram representados pelo adjunto de Comando, Ernesto Soares.

No decurso da referida celebração, animada por todos os grupos corais da paróquia, D. Jorge Ortiga conferiu, a cerca de trinta jovens, o Sacramento do Crisma.

No final, numa breve cerimónia protocolar, foi descerrada, nas traseiras da Igreja Matriz, uma placa alusiva à data a que se seguiu um lanche partilhado entre todos os presentes.

Artigos Relacionados

Centenário do nascimento Miguel Torga no Salão Medieval da Universidade do Minho
Terça-feira, Janeiro 8, 2008

Miguel Torga nasceu a 12 de Agosto de 1907. O autor de “Bichos” será o motivo de uma exposição, patente no Salão Medieval da Universidade do Minho, visitável a partir do dia 10 de Janeiro.

Para assinalar o nascimento do escritor português Miguel Torga, estará patente a partir do dia 10 de Janeiro, uma exposição evocativa da passagem do centenário daquela data. Estarão expostos vários painéis que retratam a vida e a obra de Miguel Torga.

Esta exposição, comissariada por Carlos Mendes de Sousa, professor do Instituto de Letras da Universidade do Minho, partiu de um projecto desenvolvido pela Direcção Regional de Cultura do Norte.

A exposição, que estará instalada no Salão Medieval da Universidade do Minho, contém manuscritos e cartas originais do escritor, assim como recortes de jornais e revistas com referências ao autor. No mesmo espaço poderão ainda ser visualizados dois filmes sobre Miguel Torga.

Paralelamente à exposição, decorrerão algumas conferências, a primeira das quais no dia 17 de Janeiro, proferida por Luís Mourão, professor da Escola superior de Educação de Viana do Castelo, sob o título “Torga: o legado como problema”. A conferência está marcada para as 21.30 horas.

Duas outras conferências estão programadas para os dias 31 de Janeiro e 7 de Fevereiro.

Texto: Paulo Dumas

Artigos Relacionados