PUB
Câmara de Guimarães implementa medidas de eficiência energética
Quinta-feira, Maio 19, 2011

Racionalizar e reduzir consumos e procurar fontes alternativas renováveis, são os objectivos a que o município vimaranense se propõe com a implementação das medidas de eficiência energética, apresentadas esta manhã na reunião do executivo.

Razões ambientais e económicas são as principais justificações para a implementação de tais medidas. Não se tratará apenas da necessidade de reduzir a factura energética mas, também, de procurar reduzir o impacto ambiental da energia, através da redução do consumo de combustíveis fósseis e, por essa via, das emissões de CO2.

Numa série de medidas a implementar pelo município vimaranense, no sentido de promover uma melhor eficiência energética no concelho e que foram esta manhã apresentadas em reunião de Câmara, a primeira diz respeito à elaboração de um plano de sustentabilidade energética e ambiental que permitirá a caracterização ambiental do concelho e que se propõe a identificar prioridades de intervenção, preconizar soluções a implementar e fixar metas a atingir, na prossecução dos princípios subjacentes ao Pacto de Autarcas celebrado no âmbito do projecto europeu Energy Cities, que Guimarães integra activamente desde 2007.

No que respeita à iluminação pública concelhia das zonas urbanas, a Câmara de Guimarães vai passar de imediato à redução de consumo energético, desligando um em cada dois postes de iluminação, a partir das 00h00 e dois em cada três postes de iluminação, a partir das 02h00. A situação será normalizada quando forem instalados reguladores de fluxo energético nos postos de transformação, na sequência da execução de uma candidatura autárquica ao QREN. Nessa altura, todos os postes de iluminação ficarão ligados com uma redução de fluxo luminoso, na ordem dos 35%, a partir da 01h00.

Nos novos Centros Escolares em construção, bem como noutros edifícios públicos, também serão implementadas medidas de eficiência energética. A instalação de sistemas de Gestão Técnica Centralizada vai permitir regular temperaturas, consumos e horários de funcionamento, criar um sistema de telegestão dos diversos edifícios e monitorizar avarias e necessidades de manutenção. Estima-se que a instalação destes sistemas conduza a uma redução de 30% do consumo energético nestes edifícios.

A geração de energia será outra das preocupações do município vimaranense que, em algumas escolas do concelho, já tem implementado sistemas de microgeração, através de painéis foto voltaicos, limitados à produção de até 3,9 Kw de energia. A recente possibilidade de instalar sistemas de minigeração (até 150 Kw) levará a Câmara a continuar a sua aposta neste tipo de instalações.