PUB
Câmara cria doze novas Áreas de Reabilitação Urbana no concelho
Quinta-feira, Setembro 3, 2015

O executivo municipal vimaranense aprovou uma proposta de delimitação de áreas para intervenção urbana nos centros das vilas e nas zonas industriais do concelho. As intervenções deverão ser financiadas com recurso a fundos comunitários.

O executivo da Câmara Municipal de Guimarães aprovou, por unanimidade, a proposta de definição de perímetros de Área de Reabilitação Urbana (ARU), para algumas zonas da cidade de Guimarães, como a zona das Hortas e ainda para todos os centros das vilas e zonas industriais do concelho de Guimarães.

Ao todo serão doze novas áreas que o município espera poder intervencionar, com recurso a financiamento de fundos comunitários, através do programa Portugal 2020. Neste grupo de ARU’s estão oito centros cívicos e quatro parques industriais.

A proposta na reunião de quinta-feira, 3 de Setembro, prevê ainda o alargamento da ARU da zona de Couros à rua D. João I e à zona das Hortas. Recorde-se a este respeito que o executivo aprovou a 30 de Abril os perímetros das ARU’s da zona de Couros, juntamente com a do centro da vila das Caldas das Taipas. Essa proposta passou, posteriormente, na Assembleia Municipal.

A Câmara Municipal de Guimarães está ainda a preparar o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano, que deverá ser apresentado à Comissão de Coordenação Regional do Norte (CCDR-N) até ao próximo dia 10 de Setembro.

Domingos Bragança defendeu a criação das ARU’s como forma de tratar condignamente as centralidades com maior peso histórico nas vilas do concelho e, no que respeita às áreas industriais, torná-las mais funcionais e integradas no território envolvente.

No período de discussão deste ponto da ordem de trabalhos da reunião, André Coelho Lima, líder do grupo de vereadores da coligação que junta PSD e CDS, disse concordar com o critério adoptado pela câmara. O vereador acredita que as intervenções no espaço público do centro das vilas potenciará outro tipo de intervenções privadas, motivadas pelas vantagens ao nível da tributação do prédios existentes no interior das ARU’s.

Antes de aprovar a proposta, o líder da coligação fez ainda dois reparos. O primeiro relativo à alteração da ARU para o centro da cidade, que passou a incluir a zonas das Hortas, dizendo que tal deveria ter sido considerado aquando da aprovação feita em Abril. Coelho Lima questionou ainda o presidente da câmara sobre o envolvimento dos presidentes de Junta de Freguesia nestes processos, temendo que as soluções que estavam ali a ser votadas pudessem sofrer alterações antes da sua publicação em Diário da República.

Em resposta a esta última questão Domingos Bragança garantiu apenas que as soluções de pormenor, após a fase de projecto, serão levadas a discussão em sede do executivo municipal e que serão posteriormente levadas à aprovação pela Assembleia Municipal.

AS NOVAS ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA
: Centro cívico e histórico de S. Torcato
: Centro cívico e histórico de S. João de Ponte
: Centro cívico e histórico de Brito
: Centro cívico e histórico de Ronfe
: Centro cívico e histórico de S. Jorge de Selho
: Centro cívico e histórico de Serzedelo
: Centro cívico e histórico de Lordelo
: Centro cívico e histórico de Moreira de Cónegos
: Parque Industrial de S. João de Ponte
: Parque Industrial de Pencelo / Selho S. Lourenço
: Parque Industrial de Briteiros St.º Estevão
: Parque Industrial da Gandra, Barco