PUB
Câmara aprova Fundação Cidade de Guimarães
Terça-feira, Junho 9, 2009

Foi aprovada por unanimidade a criação da fundação que irá gerir todo o processo de concretização da Capital Europeia da Cultura. PS apresentou o projecto, PSD reforça ideia de “oportunidade”, CDU diz que é “um projecto para unir”.

A Câmara Municipal de Guimarães aprovou os Estatutos da Fundação Cidade de Guimarães, cujas funções compreendem a concepção, planeamento, promoção, execução e desenvolvimento do programa cultural da Capital Europeia da Cultura 2012. O documento prevê ainda que a mesma fundação possa assumir a gestão do património cultural e dos respectivos equipamentos criados a este propósito.

A proposta foi votada e aprovada pela totalidade dos vereadores, numa acção de concertação confirmada pelas declarações vindas dos dois partidos da oposição. Vítor Ferreira frisou a oportunidade de transformar a cidade, de promover uma descentralização de equipamentos culturais e ainda de envolver o máximo número de agentes culturais no processo.

Ana Amélia Guimarães por seu turno foi peremptória ao referir que este é “um projecto para unir e não para dividir”, garantindo no entanto que a CDU manterá uma atitude de exigência e constante fiscalização.

A votação foi feita terça-feira, 9 de Junho, durante uma reunião extraordinária, da qual fizeram parte dois pontos. Além da votação dos estatutos da fundação foi dado pelo presidente António Magalhães o ponto da situação referente aos vários projectos e equipamentos que estão a ser pensados para enformar os eventos da Capital Europeia da Cultura.

No que respeita aos grandes projectos estruturantes para a cidade e que serão aproveitados como palco da Capital Europeia da Cultura pouco foi adiantado relativamente ao que é já do conhecimento público. António Magalhães propôs que as novas soluções de arquitectura e urbanismo que estão a ser equacionadas devam ser expostas aos vereadores numa “reunião restrita”. Adiantou que há novas soluções para o Toural, cuja intervenção se prevê estar concluída em Julho de 2011.

Também a Veiga de Creixomil será alvo de uma “intervenção minimalista” mantendo a característica e as funções originais do sítio. Estas declarações foram feitas no mesmo dia em que foi publicado um Despacho da Secretaria de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades que reconhece do interesse público da execução deste projecto.

Texto: Paulo Dumas

Artigos Relacionados