PUB
CEC 2012 – programa definitivo no fim de 2010
Segunda-feira, Julho 12, 2010

“O título de Capital Europeia da Cultura é atribuído a uma cidade e não a um concelho”, é desta forma que João Serra, administrador da Fundação Cidade de Guimarães, justifica o facto do plano da Capital Europeia da Cultura (CEC 2012) se focalizar na cidade vimaranense.

João Serra acrescentou que a CEC 2012 não resulta de uma decisão municipal ou de um órgão local, mas sim de um projecto europeu. “A ideia que subjaz a esta escolha é de que a cidade seleccionada apresente um nível de programação cultural de nível europeu, onde a Europa se reconhece e onde a cidade se abre à criação europeia”. Apesar desta realidade, está confiante que, pelos projectos a implementar, o resultado final representará toda a comunidade vimaranense. “Nós interpretamos a CEC 2012 de uma forma inclusiva e pretendemos que todo o concelho e toda a região se reconheçam neste projecto”.

Estas declarações foram produzidas no primeiro encontro com a comunicação social para a apresentação da cronologia de todo o projecto desenvolvido até ao momento e para lançar as linhas gerais do programa cultural que assentarão no que foi designado por “quatro grandes clusters de projectos”: Comunidade, Cidade, Arte e Pensamento.

No primeiro cluster, Comunidade, será onde associações concelhias poderão, eventualmente, dar um contributo directo para a CEC 2012. A Fundação Cidade de Guimarães criou um núcleo de programação autónoma que terá cerca de um milhão de euros para gerir. Foi elaborado um caderno de encargos entre a respectiva Fundação e três associações do concelho. Estas associações escolheram um director artístico que ficou de formular um programa artístico, onde serão apresentadas as condições para um concurso aberto para todas as associações do concelho. “Ao atribuirmos um mandato de gestão a essas três associações significa que, até ao valor de um milhão de euros, poderá ser apresentada uma candidatura ao Programa Operacional do Norte. Será um projecto único, canalizado por essas três associações”, acrescentou João Serra. Perante algumas dúvidas suscitadas, o administrador da Fundação Cidade de Guimarães esclareceu que o projecto inicial das três associações terá de ser validado pelos programadores da CEC 2012. Após esta aprovação, será disponibilizado um período temporal a todas as associações do concelho para se manifestarem. “Em função desse programa artístico, as associações que acharem que têm experiência para realizar determinadas acções previstas nesse programa poderão concorrer. A estrutura criada fará a selecção, em função da disponibilidade financeira e da qualidade das candidaturas. Este processo estará concluído até ao final de 2010, nessa altura saberemos quais são os projectos seleccionados que envolverão o sector associativo do concelho”.

João Serra anunciou, com a entrada do escritor peruano Mário Vargas Llosa, o fecho da equipa de programação da CEC 2012 e ainda o projecto de criação de uma Orquestra Sinfónica, onde o Teatro Jordão surge como possível sede deste projecto musical. “Temos uma forte componente do ensino musical em Guimarães e pretendemos uma orquestra que possa actuar em todo o concelho e em diferentes espaços”, assegurou João Serra.