PUB
Bruno Magalhães com entrada de “Leão” no Rallye Torrié 2007
Segunda-feira, Fevereiro 26, 2007

O rallye começou na Sexta-feira, numa especial nocturna, toda ela desenhada nas ruas da Póvoa de Lanhoso onde Ricardo Teodósio registou o melhor tempo do pelotão, perante a presença de um público bastante entusiasta.

Arrancou nos passados dias 23 e 24 o Nacional de Rallyes 2007 e à semelhança dos anos anteriores a prova inaugural foi organizada pelo Targa Clube, prova que viu o seu nome ser alterado para Rallye Torrié.

O Nacional deste ano arrancou sem as habituais presenças do campeão em título – Armindo Araújo, que em conjunto com a Mitsubishi Portugal encetaram forças para um projecto do Mundial – e ainda a de Miguel Campos, que não conseguiu reunir as verbas necessárias para esta época.

A prova inaugural do Nacional foi palco de estreia da nova classe de rallyes: os S2000. Portugal, à semelhança daquilo que vem sendo usual, não quis ficar sem representantes nesta classe. Peugeot, Fiat e Toyota foram as marcas que apostaram. No entanto, estes últimos viram-se impedidos de participar com os novos modelos por questões de homologação.

O Peugeot 2007 e o Fiat Grande Punto eram os cabeças de cartaz. Seria um primeiro confronto entre a nova classe e os carros de agrupamento de Produção (Mitsubishi e Subaru), onde marcava a sua estreia o piloto local Manuel Castro aos comandos de um Mitsubishi Lancer EvoVII.

Mais uma vez, o S. Pedro em nada ajudou nesta prova, uma vez que foi fustigada por fortes chuvas e muito nevoeiro.

O rallye começou na Sexta-feira, numa especial nocturna, toda ela desenhada nas ruas da Póvoa de Lanhoso – o centro nevrálgico deixava de ser a Póvoa de Varzim para ceder o lugar à Póvoa de Lanhoso – onde Ricardo Teodósio registou o melhor tempo do pelotão, perante a presença de um público bastante entusiasta.

O rallye a sério começava no sábado onde todo ele se disputaria nos pisos de terra de Vieira do Minho. Quatro especiais realizadas por duas vezes ditavam o itinerário do rallye.

O “leãozinho” de Bruno Magalhães evidenciou desde cedo uma excelente adaptação aos pisos enlameados das PEC`S, terminando a manhã com uma vantagem de 25s para o seu mais directo adversário José Pedro Fontes em Fiat Punto S2000.

O piloto da Fiat encarava a tarde como uma tentativa de recuperar o terreno perdido. Porém, Bruno soube gerir e mais tarde dilatar a sua vantagem, cifrando-se esta na diferença de 47s. Em terceiro lugar, terminou António Rodrigues que fazia a sua estreia num carro de 4 rodas motrizes a mais de 5 minutos do 1.º classificado.

O rallye terminou com uma especial espectáculo, onde José Pedro Fontes foi o verdadeiro anfitrião. O piloto taipense, Manuel Castro, chegou ao fim pese embora ter evidenciado alguns problemas no seu carro, que acabaram por condicionar a sua prova terminando no 16.º lugar a 21 minutos do primeiro classificado.

Segue-se agora o rallye de Portugal.

Texto: David Silva

Artigos Relacionados