Bomba relógio
Domingo, Junho 12, 2005

No passado dia quinze, pelas 9h00, eu, o Presidente da Direcção do Clube de Caça do Vale do Ave, o Sr. Miguel Rodrigues, o Secretário da Direcção, Sr. António Machado e o Presidente do Conselho Fiscal, Sr. Jerónimo Castro Dias, iniciámos uma “visita de estudo”. O nosso percurso começou pela zona da Gandra, onde, para além de observar que a mata não estava limpa, também nos pudemos deliciar com uma atracção turística: fossas a céu aberto, apetitosamente recheadas de animais mortos, excrementos e lixo.
Seguidamente, passámos pela área destinada ao AvePark que, curiosamente, apresentava já alguns indícios de limpeza. Uns quilómetros mais à frente, e junto à Citânia de Briteiros, foi-nos dada a possibilidade de observar uma situação má: o excesso de eucaliptos e uma boa: a recuperação do Vale de Donim. Parabéns!
A próxima paragem foi em Santa Leocádia, onde já se observam focos de incêndio que, felizmente, coexistem com vida animal, pois vi cabras em pastoreio. Bom sinal!!!
O destino seguinte foi Santa Cristina de Longos, onde se tornou a observar muito lixo e muita lenha.
Em Balazar, a situação repetiu-se: lenha que dava “para dar e vender”. Seguimos para a Senhora da Saúde, onde, aqui sim, encontrámos uma autêntica “bomba relógio”. Curiosamente, fez-me lembrar um menu gastronómico: “muitos fetos novos e verdinhos, salteados em toneladas de lenha seca q.b. e adornados por muito lixo” e…tudo isto à espera que o lume, que nem precisa de ser brando, lá chegue. Neste local, foi possível verificar o que ficou do primeiro incêndio do ano.
Como a manhã estava a finalizar e a fome a aparecer, nada melhor do que irmos a Leitões. Porém, o almejado leitão ainda não tinha chegado. À sua espera estava muito lixo, quer urbano, quer industrial e lenha, muita lenha, para o “churrasco”. Mas o melhor ainda estava para vir… Um local situado num sítio alto, com classificação de cinco estrelas e com “viabilidade de construção para habitação”. Saímos para o contemplar e, quem sabe, até comprar. Qual não foi o meu susto, verifiquei que, ao aproximar-me, fui agarrado pelo Presidente, se não caía num buraco de uma antiga pedreira com mais de trinta metros de profundidade e muitos metros de largura. Vedações? Não existem. Sinalizações? Também não. Possibilidade de queda? Toda. Única situação? Não. Existem mais.
Lugar seguinte: Airão. Aqui destaco a existência de condições mínimas de utilização do espaço. Parabéns às entidades locais”! É pena o lixo que lá estava, o qual, segundo os meus companheiros de viagem, é muito recente, atendendo ao facto de que o CCVAve realiza esta fiscalização muitas vezes por semana e a diferentes horas do dia, quer por necessidade de controlar os caçadores furtivos, quer por repovoamento de algumas espécies, quer também por preocupação para com a natureza. Em relação a estas deslocações, foi-me dito que entre o Clube e a AHBVCTAIPAS existe um protocolo pelo qual o Clube disponibiliza os seus meios técnicos e humanos para que, conjuntamente com os Bombeiros, façam da vigilância a melhor prevenção de incêndios. Parabéns a ambas as instituições!!!
Terminámos, muito para lá do meio-dia, em Sande – São Clemente, junto ao Campo de Treinos de Caça do Clube, onde se encontravam muitos associados do Clube a treinar os seus cães, cumprindo as normas de boa conduta para com a Natureza.
Ao longo deste proveitoso passeio, verifiquei que este grupo de caçadores é feito de homens amantes da natureza, preocupados com a sua conservação e preservação e conscientes de que, em primeira instância, a responsabilidade da limpeza das matas compete aos seus legítimos proprietários e, na sua ausência e/ou incapacidade, às entidades competentes. Embora este Clube não possua competência legal para o impor, nem meios técnicos e humanos para sozinho combater o “quadro” acima exposto, que é de uma autêntica “bomba relógio”, sempre demonstrou disponibilidade junto das entidades competentes, para com elas trabalhar em conjunto, nomeadamente com a Câmara Municipal de Guimarães, por exemplo, para estabelecer parelhas de vigilância com a Polícia Municipal e Juntas de Freguesia das áreas da ZCM. Com a AHBVCTAIPAS, como acima referi, já o faz.

Pê éSse final:
Ao Clube de Caça do Vale do Ave, obrigado pela disponibilidade e colaboração para a realização deste artigo e parabéns pela passagem do seu segundo aniversário, no dia 28 de Maio! Pena é ter de comemorar essa data no Clube Industrial de Pevidém, visto não possuir um campo de tiro na zona envolvente da ZCM, estrutura fundamental para a prática de tiro e que é a principal infra-estrutura necessária a criar (a qual julgo estar a ser já trabalhada). Do programa, consta um torneio de tiro aos pratos e jantar comemorativo.

pauloix@clix.pt