Autarca de Ponte apoia opção da câmara na via dedicada ao Avepark
Quinta-feira, Abril 2, 2015

O presidente da Junta de Freguesia de Ponte, Sérgio Castro, eleito pela Coligação Junto Por Guimarães (CJPG), manifestou-se a favor da via dedicada ao AvePark defendida pela Câmara Municipal de Guimarães (CMG).

Em Ponte e Barco realizaram-se mais duas, e últimas, sessões de esclarecimento e debate sobre o estudo da Universidade do Minho (UM) para o acesso ao AvePark.

As três sessões realizadas, a primeira na vila de Caldas das Taipas, seguida de Ponte e por último em Barco, tiveram em comum vários pontos, dos quais se destacam, desde logo, a grande afluência do público, a participação cívica, interessada e empenhada desse mesmo público e, por fim, o elogio unânime sobre a abertura demonstrada pela CMG para trazer a discussão deste estudo para as freguesias. Das dezenas de intervenções ficou claro que o tema não é totalmente consensual, apesar do esforço do presidente da CMG, Domingos Bragança, em alcançar esse consenso.

Ouviu-se de tudo: desde as dúvidas sobre a utilidade e impacto do Avepark, que justifique este novo investimento de alguns milhões de euros; a reivindicação do nó de Brito à A11, como a solução ideal; as dúvidas sobre a forma como foi formulado o pedido à UM, para elaborar o estudo; as preocupações dos jovens agricultores de Sta. Eufémia de Prazins com o atravessamento das “melhores terras agrícolas do concelho”; a falta de outras alternativas no estudo.

Por outro lado fizeram-se ouvir as certezas sobre a importância e alavanca que o AvePark pode representar para o concelho; as oportunidades que a via dedicada proposta pela CMG pode trazer ao noroeste do concelho; as vantagens competitivas que esse mesmo traçado pode proporcionar às empresas sediadas no AvePark e nos vários parques industriais existentes naquela região e as consequências económicas e sociais que a não resolução do acesso rápido entre o AvePark e o aeroporto Francisco Sá Carneiro pode trazer. Enfim uma panóplia de certezas e dúvidas.

Deste debate, também foi unânime a ideia que o atual nó de Silvares à A11 não serve, a via recentemente construída que atravessa Fermentões é um ponto negro no acesso rápido à autoestrada que deve merecer atenção e atuação da CMG. O vice-reitor da UM, José Mendes, especialista na matéria abordada no estudo e responsável pelo grupo de trabalho que elaborou o mesmo, foi, porventura, um “joker” para a CMG, na medida em que defendeu com consistência o estudo apresentado e tomou partido pela opção da via dedicada da CMG.

Um dos factos políticos a relevar acabou por ser a posição do presidente da Junta de Freguesia de Ponte, Sérgio Castro, eleito pela CGJP, que se mostrou a favor da via dedicada que passará por Sta. Eufémia de Prazins, posição totalmente oposta às soluções apresentadas por André Coelho Lima e Monteiro Castro, principais responsáveis concelhios da CJPG. Aliás, a consonância entre Sérgio Castro e Domingos Bragança evidenciou-se na visão para o desenvolvimento de uma avenida central em Ponte, aproveitando a EN101, ficando a ideia que há uma excelente relação entre os dois dirigentes.

Texto: José Henrique Cunha