PUB
Assembleia de Freguesia cheia de casos
Sexta-feira, Julho 2, 2010

Esta sessão ordinária confirmou a tendência negativa dos últimos anos. Guerras pessoais, ataques à integridade das pessoas e o lavar de roupa suja com a divulgação de conversas particulares.

Situações estas para as quais algum do público presente, no momento da sua participação, também contribuiu. Convidamo-lo, desde já, a ler a nota de redacção que se encontra no final deste texto.

A Assembleia de Freguesia reuniu-se no último dia de Junho na sua segunda sessão ordinária de 2010. Pelas 21.30 horas, no Salão Nobre dos Bombeiros Voluntários das Taipas, o Presidente da Mesa, Pedro Martinho, deu início aos trabalhos.

Da ordem de trabalhos constavam três pontos. O primeiro para a leitura e aprovação da Acta da Sessão de 30.04.2010. O Segundo, período antes da ordem do dia, com a duração máxima de sessenta minutos, para tratamento de assuntos gerais de interesse para a freguesia, sem carácter deliberativo, e finalmente, o terceiro serviu para apreciar a informação da Junta de Freguesia relativa à actividade desenvolvida entre sessões e sobre a situação financeira da Freguesia.

Leitura e aprovação da Acta da Sessão de 30.04.2010.
O presidente da Mesa da Assembleia pediu desculpa aos deputados pelo facto de não ter disponibilizado a acta em tempo oportuno, porque lhe foi humanamente impossível. Posto isto, a acta da última sessão teve de ser lida na íntegra para que os deputados tomassem conhecimento da mesma e a apreciassem.

Após leitura e algumas correcções a acta foi aprovada com os votos da maioria do PSD e as abstenções do PS.

Período antes da ordem do dia, com a duração máxima de sessenta minutos, para tratamento de assuntos gerais de interesse para a freguesia, sem carácter deliberativo.
Pedro Martinho deu nota da correspondência recebida, nomeadamente de um pedido efectuado pelo deputado Socialista Ricardo Costa, e no qual eram solicitadas cópias das ordens de pagamento, dos cheques e recibos das rendas vencidas da Pensão Vilas, bem como cópia do contrato de cedência de locação e da autorização da entidade financeira para sublocação.

O Presidente da Mesa fez saber que os documento já estariam disponíveis na Junta de Freguesia, menos a autorização para sublocação, dado que, e segundo informação prestada pelo executivo, o locador não se mostrou disponível para facultar documento.
Ricardo Costa usou da palavra para denunciar o facto do Tesoureio, Armando Marques, ter afirmado, numa anterior sessão, que tinha cópia dessa autorização.

Armando Marques refutou essa acusação o que levou Ricardo Costa a afirmar que mentir por omissão é uma coisa e mentir deliberadamente é outra para qual não tinha adjectivos para a classificar.

Armando Marques protestou perguntando ao deputado socialista se este o estava a chamar de mentiroso, e perante o silêncio deste, que se limitou a referir que já tinha feito a sua intervenção, Armando Marques informou que abandonaria a sala, o que fez de imediato.

Mário Ribeiro pelo PSD congratulou-se pela realização do Rali das Taipas – Capital da Cutelaria, pela realização do 1º fórum “Pela Nossa Terra – Taipas Capital da Cutelaria”, pela subida de divisão do Clube de Caçadores das Taipas, manifestando contudo, em relação a este clube, preocupação pelo vazio directivo. Regozijou-se também pela contenção na despesa prevista para a realização das festas da vila – S. Pedro.

Armando Abreu, eleito pelo PSD, apresentou uma proposta para alteração de sinalização numa das principais artérias da vila. Esta proposta foi votada pela Assembleia de Freguesia em forma de recomendação para que o executivo analise a proposta e a faça chegar à Câmara Municipal de Guimarães a fim de ser implementada. Esta recomendação foi aprovada por unanimidade.

Sobre esta questão, Constantino Veiga informou que já a comunicou a quem de direito no mandato passado e explanou as explicações dadas pelos técnicos da CMG para não se proceder às referidas alterações.
Pedro Martinho, na qualidade de deputado, tomou da palavra para elogiar o acordo conseguido entre o CART e credor Carlos Marques, enalteceu também o 1º Encontro de Terapêutica Termal organizado pela Taipas-Turitermas. Referiu também que a ideia de Vila Termal e Taipas Capital da Cutelaria podem coabitar, não havendo qualquer conflito. São, na sua opinião, duas valências que são complementares.

Quanto à homenagem ao cidadão e médico Augusto Dias, realizada pela Cooperativa, este deputado concordou com a iniciativa realçando, no entanto, que esta terá sido demasiado singela, tendo faltado o convite formal às Instituições da Vila.

Ricardo Costa informou que está pensado, e já requerido junto da CMG, uma homenagem do Município à pessoa de Augusto Dias.

Em relação ao último ponto, e no que diz estritamente respeito à apreciação da informação da Junta de Freguesia relativa à actividade desenvolvida entre sessões e sobre a situação financeira da Freguesia, este foi objecto de algumas questões por parte da bancada do PS e PSD às quais a Junta de Freguesia deu resposta.

Texto: José Henrique Cunha

NOTA DA REDACÇÃO

Nos últimos anos, nas Caldas das Taipas, e objectivamente falando das sessões da Assembleia de Freguesia, os novos actores da cena politica local têm cultivado o ataque e vexame pessoal, a contínua procura de ferir a integridade e honorabilidade dos participantes consoante o interesse partidário, e finalmente, uma submissão dos interesses da Vila à dos partidos políticos, da lógica partidária, o que leva a que o debate de ideias fique para trás e nunca aconteça.

Parafraseando José Saramago, “Falta-nos reflexão, pensar, precisamos do trabalho de pensar, e parece-me que, sem ideias, não vamos a parte nenhuma”.

Neste relato, da 2ª Sessão Ordinária da Assembleia de Freguesia de 2010, haveria muito mais para dizer, muito mais para descrever, tantas foram as situações “hilariantes” que aconteceram. Contudo, queremos deixar claro que não daremos mais cobertura, nem gastaremos mais linhas com este tipo de situações.

Todos, todos sem excepção, temos de repensar a forma de promover o debate de ideias. Assim não vamos lá.