PUB
Archie Bronson Outfit (ABO)
Quinta-feira, Abril 7, 2011

Difíceis de catalogar e com uma sonoridade que foge ao conceito mainstream, é improvável ouvi-los em rádio, excepto de quando em vez nas declaradamente indie como a RUM, RADAR ou em programas de autor tardios na Antena 3 (Indiegente de Nuno Calado).

Se houvesse um baú com os segredos mais bem guardados da música vinda de Inglaterra nos últimos anos, era lá que estariam. Parece que nunca de lá saíram. Estes ABO são um power trio frenético e empolgante cujo som é um cocktail bem servido de garage/ rock/ blues/ psicadélico. Três ingleses com pinta adequadamente retro, adoptados pela Domino Records, que nestas coisas não costuma falhar: The Kills, Franz Ferdinand, Artic Monkeys, Animal Colletive, Pavement, Magnetic Fields, Sons & Daughters, Bonnie “Prince” Billy, uf…! a agora sensação Anna Calvi, são alguns dos nomes com selo Domino Records.

Se com o álbum Für, de 2004, produzido por Jamie Hince (The Kills), apesar de óptimo, passaram um pouco despercebidos às magazines que buscam incessantemente a next bigthing, com Derdang Derdang, de 2006 saíram definitivamente da garagem e as muito recomendáveis Uncut e Mojo colocaram o álbum no top 10 dos melhores desse ano.

Ouvi-os pela primeira vez em 2006 com o single Dart For My Sweethart e o impacto foi brutal! Sonoridade intensa, carregada de tom dramático e sombrio na voz de Sam “The Cardinal” Windett. Ritmo incessante de uma bateria com batidas de rock´n rol espesso e pantanoso onde acabamos por cair e não nos querer libertar. Riffs, pausas e acelarações que os fazem parecer descarrilar e por momentos ficar fora de controlo. Riot! Cherry Lips e Dart For My Sweethart são dois singles hipnotizantes, viciantes, indispensáveis.

No último álbum (Coconut, de 2010) embora mantenham muito dos que os caracterizou nos anteriores trabalhos, mais viscerais, percorrem trilhos um pouco mais experimentais, talvez influenciados pelo produtor, um ex DFA Records (de James Murphy – LCD Soundsystem).

Nunca tocaram cá e penso que não está previsto, apesar da enorme quantidade de festivais e de tudo quanto é banda (de jeito ou não) vir cá parar. O mais certo será estar atento à agenda dos ilustres, gastar uns trocos num bilhete da Ryan Air e ir Londres procurar algum club manhoso onde eles estejam a tocar…e aproveitar para ir a Camden comprar umas raridades.

Embora me pareça banda para um Hard Club, encaixavam perfeitamente num início de noite em Paredes de Coura a abrir para Black Keys e assim o meu apetite festivaleiro de 2011 ficava saciado.

P.S. Sinal positivo para a Taipas Termal por trazer aos Banhos Velhos The Legendary TigerMan e Mazgani, nomes grandes de uma nova geração de artistas portugueses cada vez mais internacional e respeitada. A revista gaulesa Les Unrockuptibles considerou, em 2005, Mazgani, como um dos 20 melhores novos artistas europeus e The Legendary Tigerman, tema de vários artigos ao longo dos últimos anos, viu o seu último trabalho, Femina, ser considerado um dos melhores 50 álbuns de 2010.
Well done!