Aqui vai uma crise!
Quarta-feira, Novembro 30, 2005

Os intervenientes neste mundo sempre deixaram uma imagem balofa, onde o importante é o que se mostra e não o que realmente possuem. Para quê saltar para as primeiras páginas dos jornais, com os braços no ar, a apregoar o som das vitórias, quando no fundo nem sabem como será compensado os feitos desportivos? Em suma, há uma clara desorganização administrativa e financeira nos clubes de futebol (e não só), por não se entender com as áreas desportivas. Parece-me que a este nível existe profissionais de grande qualidade, com métodos evoluídos, aprumados, eficazes, e só por aí vão aparecendo resultados desportivos que ainda estimulam o interesse dos adeptos. Mas é muito pouco!
Não é por acaso que surgiu, agora, um molho de “casos” em que os profissionais de futebol estão sem receber salários. Até já parece moda falar em “greve” aos jogos de futebol, quando há pouco tempo ninguém se lembrava de tal ocorrência. A verdade é que o país está em crise e aqueles que têm a responsabilidade de gerir e administrar os clubes, sobretudo esses, estão-se a “marimbar” para as consequências futuras. Não vejo criatividade, não vejo ideias, nada de imaginação para criar estímulos junto do público ou abrir caminhos para novas receitas. Pouco se investe, pois o que importa é colher resultados no imediato e depois logo de vê… Fala-se tanto em formação! – Formação de jogadores! Formação de treinadores!
Formação de árbitros! E os nossos dirigentes???? Esses também precisam de muito e boa formação.
Ainda no mês passado o Multiusos de Guimarães acolheu o 7.º Congresso Nacional de Gestão de Desporto/1.º Congresso Ibérico de Gestão de Desporto, uma iniciativa subordinado ao tema “Empreender e Cooperar num Mercado Global”. No evento estiveram as mais conceituadas figuras na área da gestão de desporto, quer a nível nacional como internacional. Entre meio milhar de congressistas, os estudantes ocuparam a maior fasquia. E são estes os jovens que vão solucionar os buracos do presente, pois quanto à presença de dirigentes desportivos, principalmente do futebol, nem vê-los neste Congresso.
É como dar nozes a quem não tem dentes!