Apresentação de Constantino Veiga a um novo mandato à Junta de Freguesia
Segunda-feira, Agosto 19, 2013

Apesar de constar em quinto lugar na lista à Câmara Municipal, Constantino Veiga afirmou que a sua tarefa é de ser “presidente da freguesia/vila mais importante do concelho”

A sessão que ocorreu a 9 de Agosto juntou os máximos representantes da coligação “Juntos por Guimarães” e contou ainda com o deputado europeu José Manuel Fernandes e do actual secretário de estado, Nuno Vieira e Brito (candidato à Assembleia Municipal).

O actual presidente da Junta de freguesia de Caldelas teve um discurso crítico para com a Câmara e para com os candidatos do PS: “O ostracismo da Câmara em relação às Taipas não é de agora, já vem do tempo em que a Câmara não gastava os seus recursos na cidade. Agora, os socialistas dizem que vão olhar para as freguesias, são falsas promessas. A política socialista para o município é centralista, primeiro a cidade, em segundo a cidade e por último a cidade.”

Constantino Veiga afirmou que as Taipas, nos seus dois mandatos, sofreram uma “perseguição atroz” por parte da Câmara e refutou a ideia de ser conflituoso, “Somos acusados de sistematicamente afrontar o presidente da Câmara mas confunde-se isso com o facto de, como todos sabem, ter sido eleito para reivindicar pelas Taipas”. A perseguição a que se referiu passa também pelo que designou pela existência de uma “junta paralela”, desempenhada pela Taipas-Turitermas, “a perseguição da Câmara passa por recusar os projectos que a Junta apresenta mas também passa pela criação de uma Junta paralela. E sabem porquê? Porque fomos eleitos por um partido diferente e porque nos recusamos a mudar de partido. As verbas que deveriam ser canalizadas para a Junta de Freguesia são enfiadas na Turitermas. Mesmo contra um município hostil e uma secção socialista das Taipas que aprova todo o mal que a Câmara faz às Taipas, nós porfiamos e trabalhamos de modo a concretizar aquilo que prometemos”. Constantino Veiga, a este nível, referiu-se ao alargamento do cemitério, “quase concluído” e ao lar de idosos “que está parcialmente conseguido e será algo que pertencerá à vila”. Sem se deter, foi avançando com outras intervenções, não deixando de ser crítico para com a Câmara e os elementos do PS da vila, “Avançamos para a limpeza do rio Ave e para o seu desassoreamento, mas o PS das Taipas, em conluio com a Câmara, tudo fez para que as obras parassem. Propusemos alterar a postura do trânsito na vila que esbarrou na burocracia da Câmara Municipal de Guimarães. Pavimentamos inúmeras ruas e avançamos com uma melhor limpeza das mesmas, a colocação de postos de recolha de lixo fechados, os molocs, foi um trabalho desgastante mas foi conseguido. Apoiamos as associações, nunca foram tão apoiadas como agora e ninguém tem razão de queixa. Avançamos com o processo de geminação com um município francês e colocamos as Festas de S. Pedro num patamar que o próprio candidato socialista reconheceu como uma das melhores do concelho.”

Constantino Veiga foi ainda apontando outras iniciativas que a Junta foi desenvolvendo, caso das viagens para as pessoas mais idosas, “tornando-as felizes e é um prazer para a Junta de freguesia e para mim próprio, adoro! A este nível, refiro ainda a Loja Social para a população mais carenciada e a colónia de férias que começou com dez e na última semana levamos 50! A feiras das antiguidades, que pegou de estaca. Só não conseguimos mais por causa das barreiras colocadas por gente que não gosta das Taipas”.

Já na parte final da sua intervenção, Constantino Veiga referiu que o programa da coligação “Juntos por Guimarães” está em consonância com o projecto para a vila, destacando algumas linhas mestras do seu programa eleitoral. Assim, pretende requalificar o centro da vila, concluir o lar de idosos na pensão vilas, continuar com a pavimentação de ruas, apoio à terceira idade e apoio às famílias mais carenciadas, defender a requalificação da estrada nacional 101 entre Taipas e Guimarães, recuperar a praia seca, promover a casa das associações. Considerou estas propostas perfeitamente concretizáveis e mais fáceis de implementar caso a coligação “Juntos por Guimarães” vença as eleições.

Dirigindo-se à população taipense foi dizendo que tem uma equipa que o apoia “nos bons e também nos maus momentos” e que nunca desliga o telemóvel, “estou sempre disponível” e que continuará a “reclamar para as Taipas aquilo que ela merece e merece muito porque dá muito para Guimarães. Sou o Constantino Veiga e pretendo ter mais quatro anos para melhorar o nosso concelho e para levar a vila das Taipas ao desenvolvimento que merece.”

André Coelho Lima

“Com Constantino Veiga e com uma nova Câmara a partir de Setembro, vamos construir um futuro com mais justiça”

Coube ao candidato da coligação “juntos por Guimarães”, André Coelho Lima, encerrar esta sessão.
Referiu-se ao candidato à Junta de Freguesia de uma forma pessoal, “o Tino é um amigo das Taipas que se percebe no dia-a-dia da vida desta vila, é um homem genuíno que está ao serviço da população e tem tido um papel exemplar como presidente da Junta de Freguesia”.

O candidato que quer acabar com a governação socialista na Câmara Municipal referiu que não pretende somente mudar de protagonistas mas também de política para o concelho: “Tivemos 24 anos de governação socialista e é altura de mudar de página. É preciso termos uma Câmara que deixe de usar o dinheiro dos contribuintes para, por exemplo, criar nas Taipas uma junta paralela que se tornou um viveiro de socialistas e é um centro de oposição à junta de Freguesia e que, deste modo, desrespeita aquilo que o povo decidiu nas urnas”.

A estratégia para o concelho dominou grande parte do discurso de André Coelho Lima, tendo sempre como referência a região onde se insere a vila de Caldas das Taipas, “Cerca de dois terços da população no nosso concelho vive fora da cidade de Guimarães. O investimento municipal tem de ter em conta esta realidade. Não se pode gastar 11 milhões de euros em obras que não se sabe para o que vão servir, só no Laboratório da Paisagem, que já foi inundado e nunca mais abriu, gastaram-se 2,5 milhões de euros.”
Na área social voltou a ser crítico para com a Câmara Municipal, “não consigo perceber que a Câmara socialista e o seu candidato socialista digam constantemente que esta é uma das suas prioridades e, depois, a Câmara cobra dinheiro melhor, cobra fortunas a IPSS que desenvolvem tarefas nessa área. Comigo na Câmara a partir de 29 de Setembro, nunca iremos cobrar licenças a instituições que criem equipamentos de solidariedade social. Vejam bem a lata destas pessoas que já enviaram a conta relativa ao lar na pensão Vilas. Posso garantir que, comigo na Câmara, esse dinheiro vai ser devolvido aos taipenses.”
Voltou a defender uma ligação rápida entre as Taipas e a cidade que passará pelo “reperfilamento da via existente, criando quatro faixas de rodagem onde é possível fazê-lo. Não posso conceber que aos vimaranenses que vivem nas Taipas, numa centralidade que serve 30 mil pessoas, seja mais fácil irem para Braga, não me sinto confortável com esta situação”.

André Coelho Lima voltou a afirmar que apostará na descentralização de serviços da Câmara para todas as juntas de freguesia e irá desconcentrar determinados serviços de nível superior para oito freguesias, frisando que “as Caldas das Taipas vão ter um posto avançado da Câmara Municipal”.

Criticou Domingos Bragança por “só agora” vir defender a requalificação do centro da vila, ”a semana passada o candidato socialista veio apresentar o mesmo projecto que nós já o tínhamos feito a 24 de Junho. Agora, Dr. Domingos Bragança? Depois de 24 anos? Depois de 12 anos como vice-presidente, Dr. Domingos Bragança, agora?”

Alinhou com as críticas de Constantino Veiga à falta de apoio da Câmara em relação às Taipas, “em Guimarães não se tem olhado para as Taipas com sentido estratégico mas sim como um garrote. Isso não pode continuar, se queremos que os habitantes das Taipas sejam vimaranenses de corpo inteiro.
As Taipas têm uma vivência própria e isto não pode ser visto contra Guimarães, querer ofuscar a vivência das Taipas (que nunca será ofuscada porque o povo não deixa), é não perceber a realidade do concelho de Guimarães. Temos de compreender a especificidade da região de Caldas das Taipas, com a sua oferta no turismo termal ou perceber a sua indústria ligada às cutelarias. As Taipas são Guimarães e Guimarães são as Taipas. Prometo trabalhar para que as Taipas deixem de estar de costas voltadas para Guimarães e para que deixem de ter motivos para estarem de costas voltadas para Guimarães. Com Constantino Veiga e com uma nova Câmara a partir de Setembro, vamos construir um futuro com mais justiça”.

Artigos Relacionados